13.7 C
Curitibanos
sexta-feira, 27 de maio de 2022

Turquia se opõe à entrada de Suécia e Finlândia na OTAN

Presidente turco, Tayip Erdogan, argumenta que países escandinavos abrigam curdos considerados terroristas por Ancara. Embora seja membro da aliança militar ocidental desde a década de 1950, Turquia tem relação de proximidade com a Rússia.

A Turquia se opôs nesta sexta-feira (13) à entrada da Finlândia e da Suécia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). É a primeira vez que um membro da aliança militar do Ocidente se manifesta contra a adesão dos dois países escandinavos, que eram neutros mas após a invasão Rússia na Ucrânia decidiu aderir à Otan.

O presidente da Turquia, Tayip Erdogan, disse que seu país, membro da Otan desde a década de 1950, não é favorável à adesão da Finlândia e da Suécia, que devem apresentar a candidatura para ingressar na aliança já na semana que vem.

Apesar de fazer parte da Otan, a Turquia também mantém relações fortes com a Rússia, um de seus principais parceiros comerciais. E o Kremlin já prometeu retaliações sem precedentes caso os países escandinavos, próximos à Rússia geograficamente, ingressem na aliança militar.

Oficialmente, porém, Erdogan argumentou que Finlândia e Suécia “dão abrigo” a refugiados curdos que, segundo ele, fazem parte do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, o PKK, grupo considerado terrorista pela Turquia.

“Não temos uma opinião positiva. Os países escandinavos são como uma casa de hóspedes para organizações terroristas”, declarou.

A reação da Turquia é a primeira voz dissonante dentro da Otan sobre a possibilidade de Finlândia e Suécia aderirem à Aliança do Atlântico Norte.

Desde o início da crise e depois da invasão russa da Ucrânia, a Turquia tem feito o possível para manter boas relações com os dois países, dos quais sua economia depende muito.

Por G1

Receba notícias direto no seu celular, através dos nossos grupos. Clique no link para participar:

WhatsApp

Destaques

Últimas notícias