37 anos.png
37 anos.png
  
banner-ki-sbaor.png
PAZ

Um legado de proteção

Familiares organizam campanha para evitar mortes como a de Ivan Susin

Por Renata Westphal


(Foto: Renata Westphal) /

Para eternizar a trajetória do curitibanense de coração Ivan Patricio Susin, que morreu vítima de agressão em Gold Coast, na Austrália, em outubro do ano passado, seus pais Ivan e Jane e sua irmã Joseane estão organizando campanha de conscientização para combater a cultura de violência, em especial na Austrália. "Não queremos que mais nenhuma família perca um filho como nós perdemos. Se conseguirmos alertar apenas uma pessoa sobre cuidados para evitar mais uma morte, nosso movimento já vai ter valido a pena", ressalta Jane, que guarda com carinho fotos e objetos do filho Kiko, apelido que Ivan recebeu de seus pais ainda criança.

Ivan morreu 10 dias depois de ser agredido, enquanto lanchava com alguns amigos. O camponevense realizava o sonho de viver fora do Brasil para conhecer a língua inglesa e aprofundar seus conhecimentos em engenharia de produção, profissão na qual se formou na Fundação Universidade Regional de Blumenau (Furb), o que foi interrompido ao cruzar com um desconhecido. "Ele tinha recém retornado do Brasil, depois de passar por aqui e visitar vários amigos e familiares. O Ivan estava passeando com alguns amigos que moravam com ele e se consideravam irmãos, quando outro homem passou e mexeu com um dos colegas dele", conta a irmã Joseane, que assistiu o momento da agressão flagrado por uma câmera de segurança próximo ao local do crime. Ao defender o amigo, Ivan foi atingido por um único soco que o derrubou na hora, o agressor estava próximo a confusão, mas só se envolveu depois que Ivan tentou defender seus colegas. Kiko foi encaminhado ao hospital, onde permaneceu em coma induzido por 10 dias.

O brasileiro estava morando na Austrália desde julho de 2018, e essa foi a primeira experiência internacional de Ivan. "Ele falava em morar em algum outro lugar na Europa, sempre dizia que gostava da Austrália, e das suas belezas naturais", relembra Joseane, contando que Ivan relatava que que adora viver no país, mas sentia muitas saudades da família e amigos. "Sobre o que aconteceu com o Ivan, há leis direcionadas que tentam proteger as pessoas. A lei do one punch é uma delas, uma forma de tentar minimizar os crimes", relata a irmã.

Ele gostava muito do país e tinha se adaptado bem.  "Ele sempre gostou muito de esporte e amava natureza, meditava, sempre estava rodeado por muitos amigos e nunca se envolveu em briga. Se o agressor tivesse conhecido meu filho, ele jamais teria feito o que fez", comenta o pai Ivan, que lembra com orgulho os laços que o filho tinha facilidade em criar com outras pessoas. "Na Austrália ele fez curso de inglês, se formou e estava cursando Gerenciamento de Projetos,  e pretendia trazer o conhecimento para o Brasil, pois tinha sonho de abrir o próprio negócio. Também trabalhou de Uber Eats, em plantações, com pintura e limpeza, e em menos de um ano já conseguiu tirar a carteira de habilitação, que lá é muito difícil", conta.

(Foto: Arquivo pessoal/ Divulgação) /

Até viver o sonho de morar fora do Brasil, Kiko se dedicou em seu projeto, estudando a língua antes de partir e até pensou a desistir de ir depois que sua irmã mais velha Joice faleceu em um acidente de carro. "Ela incentivava muito que ele fosse e aproveitasse essa experiência. Logo que aconteceu tudo, ele até pensou em desistir para ficar mais com a mãe, mas incentivamos que ele fosse, porque sabíamos que ele queria muito" relembra Joseane.

Depois que a família recebeu a notícia da agressão, Jane conseguiu agilizar documentos e foi para Austrália. "Fui sozinha, sem conhecer a língua e o país. Logo que cheguei os médicos já me alertaram sobre a gravidade do quadro dele, fomos muito bem atendidos pela equipe profissional", conta Jane, que acompanhou cada dia de internamento do filho no hospital universitário de Gold Coast. Passados alguns dias, a irmã Joseane também chegou no país estrangeiro. Mãe e filha foram amparadas por amigos de Ivan, inclusive por curitibanenses que também moram na Austrália.

Para evitar que outras famílias passem da vivência de um sonho para a despedida eterna de um filho ou irmão, a família Susin está preparando uma campanha virtual, com páginas em redes sociais, para alertar e orientar jovens que pretendem estudar fora do país. "Eles precisão conhecer mais que apenas a língua do país, também é importante estudar sobre a cultura e inclusive a violência para onde se está indo. Ninguém imagina passar por isso fora do Brasil, mas é uma realidade que existe", alerta Jane.

O agressor de Kiko já era conhecido no meio policial e perdeu um irmão para outro agressor há cerca de oito anos. Ele deve ser julgado nos próximos meses, o júri está suspenso por conta da pandemia da Covid-19. "Quero gritar para o mundo e para todos os filhos, para que eles conheçam o lugar para onde estão indo", ressalta Jane. A campanha ainda está em fase de ajustes e definição do nome. Em breve, estará ativa. A família pretende atravessar fronteiras deixando o legado de proteção para outras pessoas, pois acreditam ser um dos grandes ensinamentos deixados por Ivan, que morreu ao tentar defender um amigo.

(Foto: Divulgação/ Arquivo Pessoal) /

Com um espírito aventureiro, Ivan sempre fez bons amigos por onde passou, prestes a completar 30 anos, Kiko colecionava amigos pelos vários destinos que passou. Muito ligado à natureza e sempre praticando esporte, gostava de admirar o nascer do sol e meditar. "Ele parecia um senhor sábio no corpo de um jovem, ele nos ensinava muito, ele compreendia vida muito diferente", relata a irmã Joseane. 

Para registrar ensinamentos deixados por Kiko entre seus vários amigos, alguns responderam a pergunta: "O que o Ivan me ensinou?": 

"Por mais de 20 anos o Ivan foi como um irmão pra mim. Me ensinou o verdadeiro significado de amizade, uma amizade honesta, confiável, verdadeira. Eu sempre sabia que poderia contar com ele se precisasse. Outro aspecto marcante dele, e que tenho certeza de que todos irão lembrar era sua alegria, vivia com um imenso sorriso no rosto e dava gargalhadas altas marcantes, de contagiar todos a sua volta", Eduardo Schmitz Magalhães 


"O Kiko foi um irmão para mim, partilhamos inúmeros momentos e histórias, crescemos e evoluímos juntos, foi algo incrível ter uma amizade dessas com essa pessoa fantástica, durante essa intensa e breve passagem pelo plano físico! Sempre com uma perspectiva e energia boa para encarar as situações que se apresentavam, partilhamos muitos momentos e histórias juntos, mas sei que está num lugar de luz! Que a sua intensa e breve estadia neste plano nos desperte para a consciência crítica aqui e agora." Gustavo Marx


"Ivan foi sinônimo de irmandade, de coração sempre aberto surpreendia pelo tamanho companheirismo. Dentre inúmeras experiencias que tivemos juntos, o que mais me surpreende é que nunca o perdíamos de vista, seja por seu brilho próprio ou sua risada icônica que não demorava muito a ecoar. Ivan estará sempre em nossas memórias e em nossos corações." André Silveira


"O Kiko sempre foi uma pessoa de bem com a vida, sempre fazia a gente pensar para frente. Sempre sorrindo. A lição que tenho desse meu nobre amigo é que sempre devemos acreditar que o melhor sempre vai acontecer. E que devemos sempre ajudar o próximo. E acima de tudo, valorizar as pessoas que nos rodeiam e nos ama. Ele foi e será lembrado por ser essa pessoa amiga, sincera e para todas as horas. Muitas saudades." Eduardo Rogério Schaly

(Foto: Arquivo Pessoal) /

"Ivan me ensinou o valor da felicidade pois vivia intensamente todos os dias sempre sorrindo e com alegria no coração. Ivan me ensinou o valor da amizade pois, quando mais precisei ele estava lá para me aconselhar e também para viver momentos inesquecíveis de pura curtição e realização. E por último a gratidão, pois sempre foi um rapaz centrado nos seus objetivos materiais e também espirituais sempre agradecendo a vida que tinha incluindo amigos, família, trabalho e oportunidades no decorrer de sua vida. Obrigado Ivan você me ensinou muito e sempre vou lembrar de você?!" Andrew Rogner Bisan


"Quando volto pra casa de madrugada olho para o portão do vizinho e penso "e agora como vou entrar em segurança"? "Pode abrir o portão que eu espero", ou com quem vou conversar na frente de casa nos finais dos rolês? Geralmente nossos encontros eram assim, morando uma vida um ao lado do outro, mas se vendo só nos finais de festa e ainda tendo tempo pra conversar de madrugada, cada um no seu carro de janela para janela, só nos mesmo! Quantas saudades você deixou, quantas conversas inacabadas, e como que eu volto agora pra casa sem ter com quem conversar no fim de tudo? Esse coração enorme deixou uma lição para cada um que te conheceu e será sempre lembrado nos melhores momentos de todas as nossas vidas!" Gabi Cristofoli .


"Ivanzinho me ensinou que um verdadeiro amigo é capaz de largar sua própria paz para enfrentar ao nosso lado cada dificuldade que surge pela frente." Luiz Carlos Righes Júnior 


"O Ivan era uma pessoa especial, sempre alegre e parceiro, um grande amigo que sempre estará presente em nossos corações!" Glaico França Moreira


"Conheci o Ivan em 2006, estudante do segundo grau ainda, quando comecei namorar sua irmã Joice, menino do sorriso largo, nos ensinou e nos ensina que devemos sempre viver em paz e com alegria, assim foi a imagem terrena que ele deixou. Hoje, juntamente com sua irmã, estão no plano supremo, nos guiam e não saem de nossos pensamentos, Matteo tem duas estrelas que iluminam o seu caminho." Rodrigo Ferretto Heger


"Ivan, meu amigo parceiro de todas as horas. Sempre alegre com aquele sorriso no rosto. O que mais marca na minha memória era a alegria que tinha de viver. Não sabia dizer não, sempre estava pronto para ajudar em todas as horas e sempre estava contente. Risadas e mais risadas. Saudade é o que sentimos de uma pessoa que tinha um astral muito bom e contagiava com felicidade por onde passava." Fernando Luis Horn.

(Foto: Arquivo Pessoal) /

"A maior lição que o Ivanzinho me deixou foi o de viver e curtir intensamente cada momento e que bons amigos independem de distância e contato frequente, sempre serão bons amigos" Thiago Pereira de Moura


"O tio Ivan (como eu chamava ele) foi um dos meus primeiros amigos quando me mudei para Blumenau em 2011 e desde então foi a amizade que cultivei até o dia que ele se mudou. Ele sempre pensava no próximo, as vezes até mais no próximo do que nele mesmo, sinto muito a sua falta. Meu verdadeiro amigo,irmão que a vida me deu. Passamos por muitas coisas boas e viagens juntos. A maior lição que ele me deu foi o amor ao próximo e partilhar as coisas, era aquele cara que quando eu estivesse passando algum perrengue ou dificuldade era com ele que eu contava." Fernando Henrique Brizot.  


"Acho que a maior mensagem que o Ivan passava era de ser feliz, ser parceiro, nunca tinha tempo ruim para ele, com certeza foi uma das pessoas mais positivas que já conheci, um grande amigo, eu e o Brizot sempre lembramos, principalmente da viagem ao Uruguai, sentimos a falta dele" Jacson Schwarz


"A maior lição que o Ivan me ensinou foi sobre a coragem. Ele sempre demonstrou-se um grande aventureiro, que não temia as mudanças e estava sempre disposto a encará-las. Trazia consigo uma imensa força de espírito. Foram tantos momentos vividos e tantas histórias que eu poderia passar horas aqui descrevendo. Sou imensamente grato por ter sido presenteado com sua grande amizade!" Juliano Tortato Della Giustina


"O Ivan foi uma das pessoas mais bondosas e serenas que já conheci, transparecia alegria em seu olhar, transmitia paz.Coração generoso, sempre pronto para ajudar.Amizade de infância e de adulto, quase um ano morando juntos, no qual também aprendi muito com ele. Desde o tempero da comida qual cozinhávamos juntos, até na forma mais tranquila de pensar e de levar a vida, se preocupar menos com pequenos problemas e viver de forma mais leve. Saudades ficaram e a lembrança de um grande e eterno amigo." Eduardo Córdova


"Conhecer o Kiko foi uma experiência inesquecível. Tive a oportunidade de ter a sua companhia inúmeras vezes e posso afirmar que era uma pessoa totalmente do bem. A energia dele era contagiante...sabe aquela pessoa que você gosta de estar perto? Pois é, ele era assim! Sorridente, alegre, sempre disposto a ouvir e sempre com um olhar otimista para a vida, para os amigos e para a família principalmente! Pessoa fantástica... Quem acredita em Deus poderá encontrá-lo novamente...e quem não conheceu poderá conhecê-lo um dia! Deus as vezes tira as pessoas mais cedo, porque tem planos que desconhecemos." Adilson Guilherme Kupas 


"Ivan taught me that this life is to short to stress over the little things and to Always saying yes to adventure and the opportunities that the universe gives you." Pippa Grace


"Ivan taught me the value and kindness of sharing. Not only items you have, but also knowledge and sharing yourself with others and in return others will share with you." Kai Thake 


"I would just like to say Ivan became a very close friend of mine in such a short space of time because of our similarities in personalities, but most importantly he made me feel so welcome when he invited me into his home and instantly his friends were also mine. He was such a welcoming beautiful sole x" Jonny Lodge, Brighouse


"Grande Tio Ivan! Nobre amigo do peito de coragem infinita e um grande sonhador, seu legado ficou eternizado pela história de irmandade com seus amigos e intensidade em seus momentos compartilhados. Muito obrigado por todos os ensinamentos. Saudades do amigo e boas lembranças!" Vinicius Ogawa


"Com uma breve porém marcante passagem em nossas vidas, o Ivan nos ensinou que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, por mais distantes que eles possam estar, que não devemos adiar um abraço, um sorriso, ou uma simples conversa com quem amamos. Ivan foi um amigo que sempre esteve disposto a ajudar, sincero, extrovertido, de um brilho sem igual, que nos alegrou aqui, e hoje alegra o céu! Agora fica a saudade e a certeza que cedo ou tarde estaremos juntos novamente!" Gabriel Lazzarotto Guidi


"Coragem e a capacidade de agir apesar do medo. Esse foi o legado que o meu grande amigo Ivan me deixou. Sempre admirei-o pela coragem que o fez viver intensamente todos os momentos da sua vida. Penso que todos deveriam ter um pouco da coragem do Ivan, afinal, ter coragem é viver com o coração." Adriano Campos Filho

(Foto: Arquivo Pessoal) /

"O Ivan sempre foi um cara muito companheiro, uma pessoa de coração bom, autêntico, querido de se ter por perto, me lembro sempre dele rindo.. uma pessoa alegre." Gilmar Ramos Dalla Maria


"Conheço o Ivan desde muito pequeno onde ele cresceu e nunca perdeu seus valores e virtudes, como bondade, honestidade e sempre valorizava seus amigos." Rodrigo Basso


"Conheci o Kiko em meados de 2013... sempre alegre, simpático e bem humorado, muito amado pela família e pelos amigos! Às vezes não entendemos os rumos que a vida toma, e porque os bons vão tão cedo... prefiro acreditar que Deus quer do lado dele as melhores companhias e que as protege por lá. Mesmo longe fisicamente, ele estará sempre nas lembranças e no coração daqueles que cativou.Meu carinho especial a Jane, uma mãe carinhosa e amada, uma amiga que o destino não me trouxe em vão... acalma teu coração porque o Kiko estará sempre em nossas orações!" Paula Carvalho de Almeida


"O maior ensinamento que guardo do Ivan, foi o seu companheirismo, um amigo que estava sempre pronto a te acompanhar/ajudar em qualquer situação." Cesar Arruda Cruz


"Quem o conheceu, percebia que o Ivan era uma pessoa extraordinária. Expressava seu Amor através de sua risada marcante e Gargalhada. Não importava a circunstancia, ele sempre tinha um abraço amigo e as palavras certas que acalmavam as tormentas emocionais de quem procurava abrigo. Sua ligação com a Espiritualidade maior transcendia seu corpo e era expressa sempre em Alegria, felicidade e calmaria. Para todos que o conheceram ele não era somente um amigo, mas um Irmão Maior que o Universo presenteou nesta existência. Um homem correto e justo que não permitia a injustiça ocorrer à sua volta. Pra nós, fica dele o maior aprendizado: Defender a Justiça, o certo, e, os seus Amigos até o ultimo instante de Vida."  Adriano T. Della Giustina. 


"Percepções claras, posturas serenas, ações em benefício do bem comum, benevolência, doação, devoção e serviço a vida, permearam a vida de um grande ser chamado Ivan, que por meio de sua conduta e ética inspirou e motivou a todos que entrava em contato a exercerem os mais altos fins de vossas existências." Gregory Kruker

"O Ivan sempre foi um bom amigo. sempre que a gente estava junto, ele estava sorrindo, uma pessoa de coração enorme. Só quem teve a felicidade de conviver com ele sabe do quanto ele era uma pessoa maravilhosa. ele deixa muitas saudades. Hoje a gente encontra consolo em saber que quem cuida dele é Deus, e a gente também tem certeza que ele cuida de nós." João Leonardo Serpa Bonnato. 


"Ivan Susin , o nosso tio Kiko ! "Tudo certo...." Kiko sempre falava isso para tudo , sabia a definição da palavra "vida" e o sentido dela, sabia muito sobre valores e sobre o amor, Kiko é só amor , quando lembro dele só vejo seu sorriso e sua positividade , tio Kiko que hoje além de padrinho do Benjamin é seu anjo da guarda, agradeço a Deus por cruzar nossas vidas aqui neste plano e nos tornar uma família ! Obrigado por me ensinar o que realmente é de Valor! "Tudo certo!"" Fernando Pereira de Souza


"Além da família naturalmente construída, temos aquela família formada pelos seus amigos. Aqueles que estendem a mão, que curtem diversão, que torcem e lutam nossas batalhas! Boas lembranças. O Ivan faz falta não apenas como filho, irmão ou tio, mas também como amigo, leal aos seus, corajoso e divertido." Bruno Brocardo


"Meu querido irmão Ivan me ensinou o amor mais puro, o amor fraterno! Com ele tinha paz do meu lado, e muita vida! Ele sempre levou a vida da maneira que o fazia feliz! Me ensinou o que poder do amor é capaz de tudo, nos da força em momentos que achamos que não teríamos! Ivan continua a me ensinar, e acredito que sempre será assim! Pessoa maravilhosa, que todos gostavam de ter por perto! O quanto foi do bem, lindo por dentro e por fora! Seu sorriso era único, pois sorria com os olhos também, com os olhos da sua alma! Acredito que a Joice e Ivan estão juntos agora, pois nosso amor de irmãos era muito grande! Não há um dia que não lembre desses anjos que Deus nos deu para compartilhar a vida terrena. Só posso agradecer por ter me dado esse presente na vida!" Joseane Susin


"Eu tive o prazer e a felicidade de ser pai do Ivan Patrício (Kiko) ele desde pequenino sempre irradiou muita luz e muita alegria, desde bebê sempre sorria com os olhos. Aí ele foi crescendo e sempre com seu sorriso lindo e cheio de alegria até se tornar um homem do qual tenho e sempre terei o maior orgulho. Sempre gostou de esportes e sempre foi amante da natureza. Onde tinha uma cachoeira e por do sol lá estava ele. Sempre foi excelente filho, amigo, irmão, tio. Por onde passou sempre semeou a paz, felicidade e amor. Obrigado, filho, por tudo o que vivemos nestes quase 30 anos.Te amo e te amarei eternamente. Sinto muita saudade do abração de urso.Saudades... Saudades... Saudades.." Seu pai Ivan José Susin.


"Meu filho querido! Ivan Patrício Susin. Aprendi com ele que paz inclui ação e pessoa corajosas o suficiente para agir em prol dela.Aprendi que paz exige aprendizado diário, por meio da meditação, através do autoconhecimento, por meio do olhar ao transcendente. Aprendi que a paz inclui ter um olhar plural para a vida, enxergar que cada pessoa, cada país, tem uma história belíssima, que merece ser ouvida, conhecida, respeitada. Aprendi que a paz não exige grandes somas de dinheiro para ser obtida, nem que se esteja em um lugar imensamente luxuoso. A paz está na simplicidade. Nos olhos raros de quem se propõe a contemplar, com paciência e profundidade, a beleza de uma folha de árvore ou o sorriso de uma criança. Meu filho era uma pessoa rara, que transcendia paz.Infelizmente sua vida foi brutalmente ceifada - uma forma de morte contraditória a tudo o que meu filho era e ensinava. A dor de perder alguém nos dá a vontade de permanecer na inércia, vivendo um luto que nos arrasta para um oceano de lembranças dolorosas. Porém, lembro de tudo o que aprendi com meu filho. E então sinto minha dor se transformar em algo novo em uma energia propulsora da paz, para o que ocorreu com o Kiko não volte a ocorrer com mais ninguém. Os meus dois filhos queridos e muito amados. Joice e Ivan me deixaram tantas lições. Elas não morrerão jamais. Ficarão em meu coração para sempre.O Kiko e a Dadai, que era assim carinhosamente  que ele chamava a Joice. Eles não estão aqui, mas em memória deles mantenho vivo os seus exemplos de vida, e sua luta pela paz." Jane Maria Susin






OculoseCia.gif
Conexão master site.png

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711