ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  

Tecnologia aplicada ao setor de vestuário impulsiona economia de SC

Empresa de Florianópolis desenvolve soluções gráficas para a indústria da moda.

Por NSC TV


Tecnologia permite criar roupa sobre o manequim - Foto: Reprodução/ NSC TV

Dois setores nos quais Santa Catarina mais se destaca, uniram forças para, juntos, ajudam a impulsionar ainda mais a economia do estado. No primeiro trimestre deste ano, o segmento de vestuário liderou as exportações catarinenses, movimentando US$ 41,3 milhões. Já o setor de tecnologia foi responsável por 6% das riquezas produzidas no estado.

A contribuição da tecnologia para o mercado têxtil como um todo, se dá na otimização do trabalho e economia gerada a partir do melhor aproveitamento da matéria-prima. Por outro lado, as empresas de tecnologia têm a possibilidade de desenvolver as soluções criadas por elas e aplicá-las neste setor.

Claudio Grando é CEO da Audaces, uma empresa de Florianópolis que é referência mundial em inovação tecnológica para moda. Com 25 anos no mercado, a Audaces não nasceu com este propósito, mas encontrou na demanda dos empresários do segmento de moda, a oportunidade de desenvolver know-how para ter um diferencial competitivo no mercado.

Grando conta que a empresa sempre desenvolveu soluções gráficas, até que foi procurada por empresários da indústria da moda. "Na época, as soluções para este setor eram importadas, caras e difíceis de usar. A gente viu que tinha uma oportunidade para desenvolver uma solução extremamente fácil de utilizar e de entender, e acessível a qualquer pessoa", explicou o CEO.

A empresa é uma das cinco maiores na área de tecnologia em Santa Catarina, e emprega quase 500 colaboradores, que desenvolvem solução integrada e com um custo menor para quem produz moda.

Investimentos

Entre as soluções mais procuradas pelo mercado estão aquelas que resultam em economia. A tecnologia que permite criar roupa sobre o manequim, por exemplo, é fundamental na fabricação da peça-piloto.

De acordo com Grando, o custo de uma peça-piloto, normalmente, é dez vezes o preço de uma peça que é vendida.

"Com a plataforma 360, esta peça-piloto é virtual. Você constrói dentro de uma solução 4D. O estilista desenha e aprova essa peça em 4D, sem desenvolver nenhuma peça física", destaca o empresário.


Tecnologia aliada ao setor têxtil - Foto: Reprodução/ NSC TV

Novas soluções

Toda esta inovação tem atraído profissionais de várias idades para o segmento da moda. Segundo Arthur Magalhães, diretor de marketing da Dits, empresa que trabalha com confecção de São José, na Grande Florianópolis, a interação com a produção, por meio do computador, acaba atraindo mão-de-obra mais jovem.

Mas, a busca por facilidade faz com que, mesmo quem já está no mercado, migre do tradicional para o digital. Simone Vieira é diretora de criação na Dits, e trocou a tesoura, o papel e o lápis pelo computador.

"Hoje a coleção é muito mais rápida de ser feita. Tudo é muito mais prático. Se a gente soubesse, já tinha adiantado essa parte de tecnologia a mais tempo", disse Simone.


OculoseCia.gif
ConexaoMaster.gif

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711