37 anos.png
37 anos.png
  
MUNDO

Recontagem de votos confirma vitória de Biden na Geórgia

Presidente eleito garantiu os 16 votos do estado e chegou a 306 delegados no Colégio Eleitoral, mas Trump ainda pode pedir uma nova recontagem. É a 1ª vez que um democrata vence na Geórgia desde 1992.

Por G1


(Foto: Brynn Anderson/AP)

A recontagem manual dos votos na Geórgia confirmou a vitória de Joe Biden no estado, disseram nesta quinta-feira (19) autoridades eleitorais. Com isso, o presidente eleito passa a ser o primeiro democrata a vencer no estado desde Bill Clinton, em 1992.

Segundo números oficiais, Biden venceu Donald Trump por 12.284 votos de vantagem: uma redução de 496 votos em relação ao apurado inicialmente. O resultado será certificado oficialmente nesta sexta-feira (20).

Com a confirmação do resultado, o democrata chega a 306 delegados no Colégio Eleitoral, contra 232 do atual presidente, que não conseguiu se reeleger, segundo projeção da Associated Press.

A recontagem ocorreu porque a apuração dos votos na Geórgia terminou com uma diferença muito pequena, de apenas 0,28 ponto percentual para Biden, o que dá direito a Trump de pedir a recontagem.


De acordo com o auditor Gabriel Sterling, a vantagem diminuiu porque as autoridades incluíram um pacote com novas cédulas que não haviam sido contadas na primeira apuração.

A pequena diferença em relação aos números divulgados anteriormente reforçam um padrão nas recontagens eleitorais americanas: na grande maioria das vezes, os resultados não mudam.

Como a diferença se manteve abaixo de 0,5 ponto percentual, Trump ainda terá a chance de pedir recontagem. Neste caso, porém, o procedimento ocorreria eletronicamente.


Caminho difícil para Trump

O resultado representa mais um revés para o presidente derrotado, que vem tentando reverter a vitória democrata nos tribunais - até agora, sem sucesso. Trump tem inclusive criticado autoridades da Geórgia, como o governador Brian Kemp e o secretário de Estado Brad Raffensperger, ambos republicanos.

Raffensperger chegou a denunciar republicanos próximos a Trump, como senador Lindsey Graham, por sofrer pressão para que interferisse na recontagem de votos para favorecer o presidente derrotado. O parlamentar negou qualquer intenção de intervir no processo.

O Partido Republicano continua de olho na Geórgia porque o estado terá em janeiro segundo turno na eleição para senador. São duas cadeiras em jogo e, caso os republicanos percam ambas as votações, o Partido Democrata dominará o Senado por uma margem mínima: seriam 50 assentos para cada partido, o que daria à vice-presidente eleita Kamala Harris teria sempre o direito ao voto de minerva.

Os republicanos ainda tentam se movimentar em dois estados que deram vitória ao democrata: Michigan, onde os trumpistas pressionam fiscais e parlamentares para mudar o resultado, e Wisconsin, estado no qual Trump desembolsou US$ 3 milhões para pedir recontagem dos votos em condados altamente favoráveis a Biden.


OculoseCia.gif
Conexão master site.png

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711