37 anos.png
37 anos.png
  
banner-ki-sbaor.png
SALA DE VISITAS

'Conquistei tudo que sonhei'

José Raldi é comerciante há mais de 30 anos

Kalyane Alves


(Foto: Renata Westphal) /

Trabalhar com o que gosta é uma diversão e, assim, José Raldi, o Zé da Pesca, 71 anos, conquistou seu sonho de ter o próprio negócio: uma loja de caça e pesca. Com mais de 30 anos de experiência na área, ele segue na profissão que, segundo ele, é um dom.

Natural da comunidade Santa Rosa, em Tangará, vem de uma família humilde de nove irmãos e, muito cedo, precisou sair de casa para tentar ter uma vida melhor. José é filho de Antonio e Maria Capra Raldi. Há 30 anos, é casado com Daniela Dias de Azevedo Raldi, é pai de Jimmy, Caroline, Jean, Pablo e Regeane e avô de Yuri, Amanda, Andressa, Matheus, Kauani, Kaique, Eloá e Jonathan.

"A Semana" - Onde você cresceu?

José Raldi - Logo depois que nasci, meus pais foram para Campos Novos. Minha primeira infância foi lá e, aos 12 anos, minha mãe me colocou num ônibus e vim parar em Curitibanos. Um irmão meu morava aqui e ela o avisou por carta que iria me mandar. Quando cheguei, tive que procurá-lo, pois não havia nenhum meio rápido de comunicação. Naquele tempo, meu pai trabalhava com carpintaria e ficava uns tempos fora de casa. Então, a situação era difícil.

AS - Quais foram suas experiências profissionais?

JR - Em Campos Novos, trabalhei como engraxate e mecânico e, em Curitibanos, trabalhei em um bar, fui fotógrafo e trabalhei no comércio, na loja do Antonio Popinhak, de implementos agrícolas e caça e pesca. Por um ano, fui radialista, em Lages. Porém, acabei retornando para Curitibanos trabalhar na mesma loja. Nessa época, procurava vencer na vida. Então, trabalhava na loja durante o dia e estudava à noite. Meu intuito era comércio, eu tinha dom. E, aí, foi onde me enraizei. Como em Curitibanos existia só uma loja de caça e pesca e estava fechando, tomei coragem e decidi começar minha própria lojinha, em 1971. Quem me deu os créditos das primeiras compras foram os próprios viajantes, que me financiavam os produtos. Lembro que a primeira compra que fiz foi de objetos para camping e até hoje tenho contato com o vendedor. Além da loja, comecei a comprar terrenos agrícolas na região e trabalhar com agricultura, na plantação de milho, feijão e soja e criação de gado. Minha esposa tem parte nisso. Sempre me ajudou e se prontificou a cuidar dos negócios. Foi um suporte para nosso crescimento. Meu trabalho também é uma realização. Estou há mais de 30 anos no ramo e nunca tive infrações.


Confira a entrevista em nossa edição impressa. Seja nosso assinante. 



OculoseCia.gif
Conexão master site.png

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711