Curitibanos,
35anos barrra.png
35anos barrra.png
  

Qualidade na produção

24 Junho 2018 07:00:00

Família trabalha unida na produção de leite para melhorar a condição financeira da casa

Kalyane Alves


Produção do leite passou por diversas transformações no quesito qualidade (Foto: Kalyane Alves)


Acordar cedo, tomar café e ir para o serviço, é a realidade de muitos lares. E, um ingrediente especial, rico em proteínas, carboidratos, gorduras, sais minerais e vitaminas, faz parte dessa rotina. O leite ocupa lugar de destaque na mesa dos consumidores brasileiros e tem seu Dia Internacional comemorado neste domingo (24).

Na família Andrade, principalmente no Inverno, a tática para espantar o frio, é beber o chamado "camargo", leite que é retirado da vaca direto em um copo com café preto e puro. E, o mais interessante, segundo a produtora Sirlene Froner, 39 anos, não há nada melhor do que tomar o leite produzido por eles mesmos.

Tudo começou há 21 anos, com apenas uma vaca, e hoje, a produção chega em muitos lares, através da venda do leite para as indústrias da região na propriedade que fica na localidade de Marombas Bossardi, interior de Curitibanos, às margens da SC-120. Todos se envolvem no cuidado com as atividades, o marido de Sirlene Nelson de Andrade, 52 anos, e os filhos Gisele, de 11 anos, Matheus, de 17 anos, e a nora Mirian Brando, de 17 anos. "Quando casamos, começamos a fazer queijos para vender. Há 12 anos, passamos a comercializar leite de casa em casa, foi quando recebemos a proposta de uma empresa para produzirmos exlusivamente para eles. Desde então, não paramos mais", contou Sirlene.


Família Andrade participa das atividades da produção leiteira em conjunto (Foto: Acervo Pessoal)

A matriarca revela que a indústria busca o insumo a cada dois dias e a produção já alcançou a marca de 800 litros, em 48 horas. Um dos maiores desafios para os produtores de leite, conforme Sirlene, é manter o pasto para as vacas. Porém, é preciso se preparar para enfrentar todas as épocas do ano, então, no caso de falta, é substituído por silagem.

Sirlene relata, que após algumas exigências na qualidade do leite, foi preciso especializarem-se ainda mais na área. "Já fizemos vários cursos para saber como melhorar na produção. Iniciamos fazendo manualmente e, hoje, temos uma ordenhadeira para fazer a retirada", pontuou. Ela destaca ainda, que, se estiver tudo em ordem recebem bonificações, caso contrário, há descontos no valor pago pela indústria.

Muitas evoluções tiveram de acontecer para chegar onde estão. De acordo com a produtora, não é somente a retirar o leite das vacas, mas entender o processo. Ela salienta que é preciso cuidar inteiramente dos animais, priorizando a qualidade na genética, alimentação e sanidade do animal, para que o leite seja adequado ao consumo.


(Foto: Kalyane Alves)




JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711