ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  
LIVRE

Pais duas vezes

Dia dos Avós marca data especial para homenagear aqueles que têm tantos ensinamentos para repassar

Rubiane Lima


(Foto: Rubiane Lima) /

Responsabilidade aumentada, carinho em dobro e ensinamentos a ser passados adiante. Esse é o cotidiano dos avós, considerados pais duas vezes e que têm seu dia especial nesta sexta-feira (26), quando é celebrado o Dia dos Avós. Em Curitibanos, Laudivina Sartor de Moraes e Ivan Felipe de Moraes têm muito o que comemorar ao lado dos quatro netos, responsáveis por dar novo significado à vida do casal.

Pais de Márcia, Maurício e Marisa, eles são avós de Moniele, de 13 anos, Cecilia e Enzo, de 5 anos, e Nicolas, de 1 ano e 8 meses. Para o casal, a vida recomeçou com a chegada dos netos. "Os filhos vão ficando adultos e o silêncio vai aumentando em casa, cada um com seus compromissos e vida corrida. Quando os netos chegaram, a casa ficou movimentada, com mais barulho e cheia de vida", destacou Laudivina.

Aproveitando todas as fases do crescimento dos netos, eles explicam que o mais importante de ser avô é manter a família unida. Ivan observa que, após a experiência de criar os filhos, ganharam conhecimento do assunto, por isso, é tão importante os avós serem presentes e dar o apoio necessário aos pais. Segundo ele, que diferente dos filhos, na criação dos netos há mais paciência. "Ensinamos o que é certo para que cresçam como pessoas de bem, mas brigamos menos, damos mais barda, já que a responsabilidade da educação é dos pais e não nossa", brinca.

(Foto: Rubiane Lima) /

Como a família mora toda na mesma cidade, o contato com os netos é diário. Laudivina aconselha que os avós entendam as crianças, brinquem com elas e mantenham contato desde que são bebês, criando laços de união com mais chances de se tornarem eternos. Para ela, trata-se de uma construção diária e é muito bom ver que as crianças confiam nos avós, pois compartilham segredos que não contariam para os pais.

Para manter a família unida, eles destacam confiança e perdão como verdadeiros segredos. A avó lembra que foram criados em uma época diferente, onde os valores familiares eram mais presentes e ensinados, mas que precisam ser sempre resgatados, pois família é a base, com quem se pode contar e quem se ama incondicionalmente. Ambos concordam que, além do amor e união, a parte religiosa também faz da família mais companheira. "Na igreja, aprendemos através de bons conselhos e exemplos e, assim, a família segue mais feliz, passando adiante o ensinamento que recebemos de nossos pais no passado", conclui Laudivina.

(Foto: Rubiane Lima) /

Com o objetivo de fortalecer os laços, a cada 15 dias, a família reúne-se para almoço e para degustar o famoso pudim feito pela avó. "A comida é uma coisa que une a família e todos já chegam pedindo pelo pudim e churrasco, com carinho de avó", diverte-se Laudivina.

Ivan recorda de quando conviveu com seus avós e avalia que o convívio era diferente, pois eram mais rígidos, o que não impedia as crianças de aprontar. Segundo ele, a comida era deixada em caixotes grandes de madeira, em sacos, mas os netos sabiam onde ficavam os doces e comiam escondido a marmelada feira pela avó.

A primeira neta do casal, Moniele, hoje com 13 anos, afirma que o melhor de ter avós presentes é poder conviver com o amor que eles transmitem. "Quando estamos muito em casa, eles nos levam para passear na casa deles e é sempre muito divertido", conta. Já o pequeno Enzo garante que o que mais gosta em estar com o avô é comer o churrasco que ele prepara. "Ser avô é muito bom. Eles são a nossa alegria e conviver com eles deixa a gente muito mais completo", conclui Ivan

(Foto: Rubiane Lima) /



Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711