35anos barrra.png
35anos barrra.png
  

De olho na defesa

20 Abril 2018 08:00:00

Aos 17 anos, Buyu coleciona títulos e defende os troféus de campeão adulto e Sub-18 estadual

Rubiane Lima


Além de estudar no Ensino Médio, todos os dias Buyu dedica-se ao treinamento com a ADC (Foto: Rubiane Lima)/


Na quinta-feira (26), é dia de homenagear aquele que geralmente não escolheu sua posição, mas que faz toda a diferença dentro de uma equipe. Neste dia, é comemorado o Dia do Goleiro e, realizando o sonho de ganhar a vida jogando futebol, o goleiro Mateus do Espírito Santo (Buyu), da ADC Curitibanos Berlanda Futsal, tem muito que comemorar.

Natural de Curitibanos, mas morando até os 14 anos em Ponte Alta do Norte, foi lá que sua vida voltou-se para o esporte. "Sempre gostei de jogar e devo muito ao professor Juliano Sérgio Lopes, que viu o meu potencial como jogador e foi quem me ensinou e incentivou a continuar", declara.

No início de sua carreira dentro do futsal, o atleta lembra que jogava na linha e jogava bem, mas, em um dos treinos, o goleiro faltou e pediram para que ele assumisse a posição. Depois disso, sua vida foi mudando e ele, gostando cada vez mais da vida de goleiro. "Ser goleiro, na verdade, é uma profissão bem ingrata, porque você vai de herói a vilão muito rápido e tem que estar preparado para tudo", avalia.

Contando sempre com o apoio da família, ao assumir o treinamento de goleiro, seu pai comprou equipamento e Buyu nunca mais largou a posição. Ele lembra que o primeiro campeonato do qual participou como goleiro foi sem muito tempo para treinar, mas acabou gostando. "Qualquer coisa que você vá fazer tem que gostar. Eu gosto de ser goleiro e não me vejo jogando em outro lugar", declara, defendendo que é preciso parar com o estereótipo de que somente quem não sabe jogar deve ser colocado no gol ou que não é uma posição legal de jogar.

Buyu recorda que jogava em Curitibanos e, no município, teve as principais oportunidades de sua carreira, com acompanhamento do professor Ramon Waltrick, técnico anterior da ADC, que lhe deu a primeira oportunidade na equipe, em 2016, quando passou a ter renda através do esporte. Assim, com 16 anos, já entrou para a equipe adulta. "Aprendi muito com o Ramon, ele acreditou no meu potencial e foi quem me empurrou para dar o melhor de mim e conquistar o meu espaço. Várias vezes pensei em desistir de tudo e ele sempre me aconselhou a continuar, por isso, devo muito do que aprendi a ele", disse.


Atleta já é reconhecido e adora o apoio da torcida curitibanense (Foto: Arquivo / A Semana)/


Hoje, Buyu joga na equipe adulta da ADC e no Sub-18. No ano passado, o atleta foi campeão estadual pelas duas categorias e, agora, está na briga para defender os títulos. No esporte, suas maiores inspirações são os goleiros Tiago e Guita, ambos da seleção brasileira. Para ele, toda carreira é feita de altos e baixos, mas seu segredo tem sido perseverar sempre, destacando o contato com a torcida e o reconhecimento por parte dela. "Dá sempre um frio na barriga entrar num ginásio lotado, mas, depois nos concentramos e por mais que tenha que escutar algumas coisas da torcida contrária, o segredo é não prestar atenção e focar no jogo", declarou.

Mesmo jovem, Buyu já sonha em jogar na seleção e agradece a todo reconhecimento da equipe que representa e por poder conviver e aprender todos os dias com os atletas mais experientes da ADC. "Nunca me arrependi de ter assumido o gol. Ser jogador não é uma vida fácil, temos muitas responsabilidades e uma torcida inteira para representar, mas é o que eu quero fazer para o resto da minha vida", adianta.





JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711