ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  

Colo em dobro

12 Maio 2019 08:30:00

Mãe de gêmeas, Fabíola comemora data com dose extra de amor

Tatiana Ramos


(Foto: Eduardo Bandeira)


A data mais especial para as mamães está chegando e, neste domingo (12), o dia é todo dedicado a elas. Como diz o famoso ditado, "mãe só tem uma", mas, mesmo única, ela é capaz de dividir seu coração em muitos, dando a cada filho 100% de carinho e amor.

Na casa da professora Fabíola Fontana Granemann, tem sido assim desde a chegada de Bianca e Pietra, hoje com 7 anos. Gêmeas idênticas, elas têm personalidades bem distintas, mas a mãe garante que as duas são extremamente amorosas e adoram um colo - sempre disputado.

Segundo Fabíola, ela sempre teve um ciclo menstrual desregulado e seu médico chegou a dizer que teria de fazer tratamento para engravidar. Mas foi em uma das muitas trocas de anticoncepcional, aos 25 anos, que a natureza falou mais alto e a presenteou não com um, mas com dois bebês.


(Foto: Acervo pessoal)


A professora lembra que a gravidez dupla foi descoberta com 14 semanas de gestação e foi um susto para a família, pois apenas o segundo ultrassom mostrou dois bebês; no primeiro, feito com cinco semanas, havia aparecido apenas um feto. "Eu só conseguia rir. O pai delas começou a chorar. Foi realmente uma surpresa", recorda, acrescentando que, a partir daí, todos os pensamentos passaram a ser em dobro.

Como nasceram prematuras, as meninas precisaram ficar 40 dias no hospital e, nesse período, Fabíola começou a sentir realmente como era ser mãe de gêmeas. Segundo ela, era um alívio quando as duas mamavam ao mesmo tempo, pois as horas de sono eram raras e desejadas. Ao ganharem alta, as bebês levaram para casa uma longa lista de medicações e vitaminas e, para organizar tudo, Fabíola utilizava um caderninho, onde anotava cada dose de remédio e cada hora de mamar das gêmeas. "Tudo era em dobro. Fraldas, então, era uma montanha", lembra.



Agora, na idade escolar, o maior trabalho, segundo Fabíola, é ajudar com as tarefas, porque são sempre duplas. Para realmente auxiliar as meninas, ela faz a tarefa individualmente com cada uma, evitando que acabem apenas copiando o dever de casa uma da outra.

De acordo com a professora, assim como os cuidados, o desenvolvimento das gêmeas também foi conjunto: engatinharam, caminharam e falaram quase ao mesmo tempo. Os cabelos também crescem de forma semelhante e a troca de dentição está sendo simultânea, com pouca diferença de uma para a outra.

Por outro lado, enquanto crescem, as meninas vêm formando personalidades diferentes. Enquanto Bianca é mais extrovertida, Pietra mostra-se mais tímida, traços que são respeitados pela família. "Acho importante que elas tenham essa individualidade respeitada. Podem ser iguais na aparência, mas cada uma é uma", afirma a mãe, que não cede aos palpites para vestir as filhas com roupas iguais, por exemplo. "Elas não se separam nem para dormir. Algumas vezes, isso até atrapalha um pouco a convivência com outras crianças, porque uma tem a outra e basta. Mas elas também têm suas diferenças e é preciso entender e respeitar isso", reforça, completando que ser mãe de gêmeas, muitas vezes, é desgastante, mas lhe traz amor em dobro todos os dias.


(Foto: Acervo pessoal)


Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711