35anos barrra.png
35anos barrra.png
  

Memórias curitibanenses

10 Março 2018 16:58:00

Dinarte Pereira Brasil


Dinarte Pereira Brasil nasceu em Curitibanos, em 27 de janeiro de 1911, filho de Emília Maria da Silva e Paulino Pereira da Silva, Capitão da Guarda Nacional, e teve sete irmãos: Clotilde, Aurora, Pedro, Julieta, Carolina, Joca e Rosinha.

Os governadores de Santa Catarina e do Paraná souberam, por meio do Coronel Fabrício Vieira das Neves, que Paulino era um fervoroso simpatizante declarado da monarquia e ordenaram aos fiscais e à guarda estadual que confiscassem sua pequena Fábrica de Bebidas Gasosas, podendo usar da violência se necessário. Buscou refúgio com a família na casa de parentes em Canoinhas. Abdicou a patente de Capitão obtida em 1906 e assumiu a liderança de um dos Redutos da Irmandade de São Sebastião no conflito do Contestado. Em setembro de 1914 (conhecido como Setembro Negro), o Comandante Elias de Moraes ordenou que Paulino, Chico Ventura, Castelhano, Benedito Chato e Irmãos Sampaio atacassem e incendiassem a Superintendência, armazém do Coronel Albuquerque, Jornal O Trabalho, casas de comércio e residência de simpatizantes republicanos na vila de Curitibanos, em represália à morte de Praxedes Gomes Damasceno, fazendeiro e comerciante do Taquaruçu.

O jovem Dinarte acalentava o sonho de conhecer novos horizontes e fugiu para Florianópolis em busca de seu padrinho, Dr. Américo, que havia exercido o cargo de Juiz de Direito desta comarca. Américo telegrafou aos pais informando o ocorrido e também a intensão de internar Dinarte na Escola da Marinha. Na disciplina militar, abriu a possibilidade de estudar, criando asas ao seu objetivo em formar-se no curso de Jornalismo. Trabalhou por vários anos em jornais do Paraná e, com muito orgulho, teve a direção do "Jornal de Curitibanos", de propriedade de Heraclides Vieira Borges (1955/1958), verdadeiro mestre na linguagem correta e atraente.

Profundo conhecedor da região do conflito, descrevia com riqueza de detalhes. Auxiliou outros curitibanenses a montar nossa rica história, principalmente o Museu Antônio Granemann de Souza. Ajudou o professor paulista Douglas Teixeira Monteiro nas pesquisas para a elaboração do livro "Os Errantes do Novo Século", publicado em 1974, deixando assim a sua despretensiosa parcela de contribuição à sua amada terra.

Dinarte Pereira Brasil partiu para o mundo espiritual em 24 de maio de 1984. Deve ser lembrado por todo o nosso povo, pois, nos bares da cidade, por vezes ele lá comparecia com o seu bom humorismo, seu conhecimento e amigos que cativou em sua vida terrena.


1982

Adriana Almeida e Adriane Cristófoli - Baile de Debutantes no Pinheiro Tênis Clube



1973

Alba Marilia Tortato, Nádia Burtet, Nadir Perdoncini, Neiva Becker - Centenário de Curitibanos



Migué Seco, Egon Heinz Reichert, Alírio Mass, Wilmar Schultz, Valdomiro Cambrussi, Delmiro Mass, Ernestinho e amigos - Confraternização de final de ano na Oficina da Comercial Sbravatti 

JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711