Curitibanos,
35anos barrra.png
35anos barrra.png
  

Coronel Francisco Ferreira de Albuquerque

09 Julho 2017 14:59:21

Sebastião Luiz Alves

Albuquerque nasceu em Lages, em 1 de julho de 1864. Foi enviado pela família Ramos para Curitibanos, com o objetivo de introduzir na politica local. Casado com Laurinda de Oliveira Albuquerque, teve os filhos Euclides, Aristides, Tiago, Elvira, Iracy e Orival.  

  Inteligente e político habilidoso, conquista grande número de amigos, assim como milhares de ferrenhos inimigos. Dono de um Armazém e do Jornal O Trabalho, na Rua Coronel Vidal Ramos, recebe a nomeação de ajudante de Procurador da República em 31 de janeiro 1898, pelo presidente Prudente de Moraes. Em 2 de março, o presidente lhe confere o posto de tenente-coronel e comandante do 16º Batalhão de Infantaria da Guarda Nacional. O presidente Afonso Pena, em 1906, nomeia-o comandante do 12ª Brigada de Cavalaria da Guarda Nacional. Eleito, em 1907, para o cargo de superintendente de Curitibanos.

 Coronel Albuquerque envia a guarda municipal para debandar os rotulados fanáticos do Taquaruçu, em agosto de 1912, que estavam aglomerados desde 1909. O Monge José Maria (Miguel Lucena Boaventura) e os demais líderes, ao saberem do envio da guarda municipal, decidem evitar o confronto armado e fogem para os Campos do Irani. A decisão do coronel e José Maria era um barril de pólvora, vindo ocorrer o confronto armado de Irani, onde morrem os dois líderes: José Maria, da Irmandade de São Sebastião, e coronel João Gualberto, da tropa de segurança do Paraná; nascem os mártires, que ambos os lados necessitam. O fato histórico acenderia a emblemática Guerra do Contestado, que tiraria a vida de aproximadamente 18 mil pessoas, entre caboclos, jagunços, fanáticos, vaqueanos legalistas e soldados republicanos.

 Janeiro de 1914, coronel Albuquerque manda a guarda municipal apreender as vinte mulas com mercadorias de Praxedes, compradas na Empresa Hoepcke, de Florianópolis. Praxedes Gomes Damasceno soube do ocorrido e procurou reaver a mercadoria. Acabam discutindo e é baleado, falecendo na cadeia no dia seguinte.

 Setembro de 1915, coronel Albuquerque soube do ataque à vila por um de seus espiões e decide fugir com sua família para Blumenau. Os líderes mandam os seus guerreiros incendiarem a Superintendência, o armazém, a casa e o jornal O Trabalho, de propriedade do coronel Albuquerque, o Correio, o Fórum, a Delegacia, o teatro, escola, dois comércios, 18 casas e todos os documentos do Cartório, ao meio da intensa chuva nos três dias que ficaram na Vila.

 Albuquerque segue a Florianópolis, assume a presidência da Câmara Estadual e assina o acordo de divisas do Paraná e Santa Catarina em 20 de outubro de 1916. Seu nome é cogitado para ser o próximo governador do Estado.

 O líder e atirador de elite Conrado Glober, a mando do coronel Henrique de Almeida, executa coronel Albuquerque em 27 de dezembro de 1917. Efeito colateral do Conflito do Contestado.


JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711