Curitibanos,
35anos barrra.png
35anos barrra.png
  

Clementino Francisco dos Santos

04 Março 2018 10:42:00


(Foto: Acervo pessoal)


Nessa edição, presto minha homenagem a esse humilde batalhador. Pelo nome de Clementino Francisco dos Santos, poucos o conhecem; é sim, mais conhecido, carinhosamente, como "Nego Clemente". Nasceu em 14 de novembro de 1933, em Curitibanos, filho de Nicolau Américo dos Santos e Eugênia Francisca de Jesus, e teve outros dois irmãos: Carmelindo Francisco dos Santos e Doralicia Francisca dos Santos. Sem muitos recursos financeiros, Clemente e Carmelindo ajudaram o pai em diversos serviços na cidade, conciliando com seus estudos no Colégio Santa Teresinha, onde completou a 8ª série (Ensino Fundamental).

Clemente casou-se, primeiramente, com Idalina Leite, tendo os filhos Ataíde Francisco dos Santos e Emanuel Leite; e anos depois, com Santina Antunes da Cruz, tendo os filhos Eliane Antunes dos Santos e Luiz Carlos dos Santos.

Completando a maioridade, conseguiu, em 1 de dezembro de 1951, emprego de amarrador na Fábrica de Caixas que fazia parte da Serraria Curitibanense Ltda., na Rua Benjamim Constant (Serraria Gava). Foi promovido em 1952 a carregador, fazendo o serviço de gradear madeira em geral, carregamento de caminhões e colocação de lona.

Infelizmente, perdeu um olho em acidente de trabalho em 1964. O valor recebido do INPS foi mínimo e, para completar a renda e dar condições dignas à família, obrigou-se a exercer outras atividades, como engraxate, na Barbearia Borges, e vendedor de bilhete das Lotéricas Borges e Bernardoni, na Avenida Salomão Carneiro de Almeida. Retornou ao serviço em 1969, mas foi demitido em 1972, com a venda da Serraria para a Empresa Joschp S/A, que tinha interesse somente nos pinheirais. Comprou uma casa nas proximidades da Rua Frei Gaspar, vendendo anos depois por necessidade financeira.

Participante ativo na Sociedade Recreativa 6 de Janeiro, foi vice-presidente por um mandato.

A abertura da Lotérica de Raulino Moraes, na Rua João Manoel Carlos, autorizada pela Caixa Econômica Federal, acabou fechando as demais lotéricas. Continuou vendendo bilhetes e fazendo jogo de bicho. Em1974, arrumou emprego de porteiro no Dormitório Avenida, aliando com atividades paralelas. A proprietária Hilda Duarte Sbravatti auxiliou na aposentadoria por invalidez em 1975.

Novamente, para completar a renda, trabalhou como chapa (carga e descarga de caminhões) no ponto nas proximidades do Posto Esso, na Avenida Rotary. Por indicação de amigo, arrumou serviço como vigilante e serviços gerais, em 1980, na empresa Binder Projetos e Construções Ltda., onde ficou até 1994, e como caseiro, na chácara de Ernani Osni Rossa (Migué Seco), na entrada da estrada da Lagoinha (1994/1995). Voltou a residir no pequeno barraco e trabalhar na construção do edifício na Rua Marcos Gonçalves de Farias, mas a obra estava em ritmo lento e ora paralisada. Um grupo de empresários assumiu a construção: Berlanda, Gaboardi, Tortato, Sbravatti, Popinhaki e Gubernatti, finalizando a obra em 2006.

Clemente recebeu como pagamento pelo tempo de serviço, uma casa na Rua Manoel Francisco de Almeida, onde morou até o seu falecimento, em 25 de janeiro de 2013. Deixou lição de superação, perseverança, o espontâneo sorriso amigo e preocupado em dar o melhor à família.


JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711