Curitibanos,
35anos barrra.png
35anos barrra.png
  
Sebsatião.png

15 Abril 2018 08:15:00


1982

Enori Pozzo em seu Programa Sucesso de Todos os Tempos na Rádio Coroado AM




1974

Formatura do Magistério de Anita de Lima, com Zenaide Pereira Costa e Osmar Cruz



1989 

Inauguração da nova sede da Biblioteca Municipal no Edifício Alexandrina na Rua Henrique de Almeida




1962

Formatura em Técnico de Contabilidade do Colégio Cardeal Câmara de Darci Pedrinho Motter acompanhado de Neli Dacol



07 Abril 2018 12:52:00


Alice Cristina Hartmann e Ana Claudia Costa Pellizzaro em 1979, Carmen Lúcia de Mathias da Costa e Daniella Guimarães Lopes 1982, tradicional baile de Debutantes no Pinheiro Tênis Clube.


Conjunto Os Dissonantes com Noel, Beto, Aparício, Agualberto Mendes, Sebastião e Maninho em frente à Prefeitura Municipal de Curitibanos em 1978.


Hélio França, nego Teto, Renato Schmidt, Jânio Varela, Fernanda e Flamarion Damiani. Atrás, Dubá Ferreira e Pedro Simas JASC São Bento 1973.


Inauguração Cine Teatro Monte Castelo Cia Ltda, com Salomão Carneiro de Almeida, Heraclides Vieira Borges, Wilmar Ortigari e Convidados em 1949.


Juliana Dotti no tradicional baile de Debutantes Clube Recreativo 7 de Setembro em 1966.


Miguel Rossa, Hilda Webber do Prado Rossa e Pedro Miguel Rossa em 1972.


Efetivo do Batalhão da Polícia Militar de Curitibanos em 1983 - Sd. Lorega, Cb Waltrick, Sd Sidney, Cb Valdir, Cb Bitencourt, Cb Veiga, Cb Vezaro, Cb Thibes, Sd Valdir Cunha, Cb Nilton, Cb Hanz Heardt Werner (Cb Werner), Sd Chagas, Sub Ten Jorge Lourenço Hack, Sgt Campigotto, Sub Cmt 1º Ten Paulo Cezar Rodrigues, Sgt José M S Ribeiro Netto, Cmt Cap Adilson Adelino Alves, Sgt Arruda, Sub Ten Orlando José Jurek, demais Oficiais e Soldados.


Tira Teima e Tufão - em pé: Novelo Carmini, Janguinho Alves, Chico Ferreiro, Avelino França, Marcelo Sbravatti, Balduino Pereira, João Manoel Carlos. Agachados: Vitor Cavalheiro de Liz, João Henrique - Marinheiro, Napoleão Mendes, Dorino Agostinho e João Américo, jogo beneficente no Estádio Alçapão da Baixada em 1954.


01 Abril 2018 00:00:00
Autor: Sebastião Luiz Alves



Luiz Cabrito nasceu em 6 de abril de 1952, no Campo Alto, distrito de Santa Cecília, Curitibanos, que se emancipou em 1958. Filho de Marcílio Rauen e Irozina de Souza Rauen, teve 15 irmãos: Macimino, Nicolau, Maria, Ana Soeli, José, Maria Zenilda, Sebastião, João, Sebastiana, Maria Catarina, Antônio Carlos, Terezinha, Jorgina, Izabel, Maria José, Francisco e José Carlos (adotivo). A família mudou-se para sua fazenda em Marombas Bossardi, onde Luiz trabalhou na lavoura e ajudou os irmãos menores em casa. Cursou as séries iniciais na escola isolada do local. O tio Tiliano Machado trouxe-o, em 1968, para auxiliar na construção de cercas e também na fábrica de palanque e tanque de cimento no bairro Bom Jesus.

 Em meados de 1973, casou-se com Eva dos Prazeres Tessari, com quem teve três filhos: Elza, Marcos e Patrícia. Luiz empregou-se, em 1975, como motorista na empresa Menegussi, que estava construindo um trecho na BR-470, vindo a falir anos depois. Com isso, passou a trabalhar, na mesma função, vários anos, na Carvoaria do Zé Pato.

Retornou, em 1982, para a lavoura, primeiro como encarregado de turma, pós de capataz na Empresa Arisco Sul Ltda. A empresa finalizou suas atividades na produção de alho e Luiz voltoy a residir com a família na cidade. Efetivou-se, em 1984, como motorista de caçamba e coleta de lixo na Prefeitura de Curitibanos, mas foi demitido sem qualquer explicação em 1996 Trabalhou por alguns anos na Auto Viação Caramuru (atual Auto Viação Curitibanos), no início em transporte de passageiros, fez curso e mudou a categoria da carteira de habilitação para transporte de alunos.

Passou no concurso público em 2003 e retornou na função de motorista de ônibus no transporte de crianças e adolescentes na Prefeitura de Curitibanos.

Sempre muito alegre e brincalhão, fez grande circulo de amizade, independente de idade ou gênero. Pode-se dizer um autodidata; apesar de não ter concluído o 1º grau, era inteligente, atualizado e informado sobre as questões políticas e sociais do país. Tinha o sonho de ocupar uma cadeira no Legislativo e candidatou-se a vereador em 2008, mas não conseguiu os votos necessários. Não desistiu, voltou aos estudos no Ceja e concluiu os ensinos fundamental e médio, exigidos pela nova lei vigente. Candidatou-se a vereador em 2012, também não alcançando êxito. Persistiu no objetivo e candidatou-se novamente em 2016, mas no dia em que iria buscar o material de divulgação da campanha, sofreu um derrame isquêmico, finalizou seu sonho e acabou falecendo em 11 de agosto de 2016.

Luiz Cabrito deixou uma lição de vida e muita história. Ofereceu-se, nas primeiras reuniões, para ajudar na APP da EEB Altir Webber de Mello (sendo presidente da APP por mais de dez anos), pois a escola encontrava-se em situação precária, oferecendo perigos às crianças. Buscou apoio da comunidade e autoridades e conseguiu a construção de nova escola em 1985.

Na época de motorista de caçamba, pediu autorização ao secretário de Obras e aterrou de entulhos o banhado do patrimônio público, nas ruas Augusto Groner e Frederico Goeten, no bairro Bom Jesus; construiu com amigos um campo de futebol, promovendo torneios. Foi homenageado dando seu nome ao campo de futebol e à rua paralela ao campo.



25 Março 2018 08:00:00
Autor: Sebastião Alves



O Negrinho do Pastoreio é a mais famosa história do tropeirismo. Começa no Rio Grande do Sul e se espalha até as fronteiras de São Paulo.  

Um pretinho, filho de escravos, afilhado de Nossa Senhora, nasceu na fazenda de um rico estancieiro. A tarefa do crioulinho era cuidar dos cavalos de trato do senhor e recolher, todas as tardes, as vacas leiteiras com seus terneiros para serem apartados nas mangueiras.

Certo dia, um cavalo baio desgarrou-se do grupo. O negrinho perambulou a noite inteira pela fazenda à procura do fugitivo, sem poder encontrá-lo. De volta, cansado, com frio e com fome, foi castigado violentamente pelo senhor. Depois, ainda com vida, foi enterrado num formigueiro. Logo a seguir, sua alma vagava pelos pampas, laço em punho, montado num cavalo baio, tangendo um rebanho invisível formado por animais extraviados, no que só era reconhecido pelo tropel. A devoção na alma do crioulinho pendura no tempo e ainda oferecem velas, promessas e rezas para encontrar coisas e animais perdidos.

O "nosso" Negrinho do Pastoreio (aqui dito do Pastorejo) não é o mesmo dos pampas gaúchos. Conta-se, na velha tradição local, que um tropeiro vindo do Rio Grande, no início de Inverno, com uma tropa de gado e animais em direção às Feiras de Sorocaba, trazia como madrinheiro um negrinho, filho de escravos. Passando pelo Entreposto dos Curitibanos, pernoitou com a comitiva na Rua Coronel Lauro Müller esquina com a Rua Coronel Ferreira de Souza (antigo Cemitério), cujo local, aproximadamente em 1960, ainda possuía uma pequena cruz de cedro roliço, cujo lenho brotara junto de três pedras graúdas em forma de trempe, como os tropeiros usam para suspender as panelas ao fogo. Era rodeado por outros pedruscos menores, sobre os quais se acendiam velas de promessas e devoções. No vão da trempe, em sinal de devoção, ateavam pequenas fogueiras ao entardecer dos dias de São João e São Pedro, também nas noites frias do Inverno, para esquentar a alma do negrinho.

Prosseguindo o relato, amanheceu torvo, um frio de rachar. Mesmo assim, a tropa locomoveu-se ao Rio das Pedras, onde enfrentaram forte nevasca. O crioulinho, mal agasalhado, abatido e muito judiado, ao alcançar o campo do Corisco, acabou perecendo (Fazenda da Chapada em Santa Cecília), sendo abandonado pela comitiva. Algumas boas almas providenciaram o sepultamento e cravaram uma cruz no local. Anos depois, edificaram uma capelinha, que tem sido conservada até hoje.



18 Março 2018 10:55:00


Joaquim Ortiz da Cruz 


1ª Feira de Produtos de Curitibanos 1974, Hoje Expocentro


Aquilino Perin e Catharina Perin no Bar na Alzerino Rosa no Bairro São José


Família Granemann - Dalzeni, Rubia, Francisco, Leonora, Eluziane, Giovane, Claudio, Jocelene, Rosenilda, Dalzima 1975


Torneio interno do Colégio Casimiro de Abreu no campo Alçapão da Baixada 1962. Esquerda: Clóvis Finochetti, Adair Kochmann (Rato branco), Ari Pellizzaro, Vasco Volpi, Crema (Sapo), Perci Ganz, Dr. Hélio Amaral (Diretor do Colégio), agachados: Silvestre Kosloski (Boleco), Hélio Jacobs, Valdir Homem, Walmor Prandi, Osni Ribeiro (Pimentão) e Alcides Pellizzaro.



10 Março 2018 16:58:00

Dinarte Pereira Brasil


Dinarte Pereira Brasil nasceu em Curitibanos, em 27 de janeiro de 1911, filho de Emília Maria da Silva e Paulino Pereira da Silva, Capitão da Guarda Nacional, e teve sete irmãos: Clotilde, Aurora, Pedro, Julieta, Carolina, Joca e Rosinha.

Os governadores de Santa Catarina e do Paraná souberam, por meio do Coronel Fabrício Vieira das Neves, que Paulino era um fervoroso simpatizante declarado da monarquia e ordenaram aos fiscais e à guarda estadual que confiscassem sua pequena Fábrica de Bebidas Gasosas, podendo usar da violência se necessário. Buscou refúgio com a família na casa de parentes em Canoinhas. Abdicou a patente de Capitão obtida em 1906 e assumiu a liderança de um dos Redutos da Irmandade de São Sebastião no conflito do Contestado. Em setembro de 1914 (conhecido como Setembro Negro), o Comandante Elias de Moraes ordenou que Paulino, Chico Ventura, Castelhano, Benedito Chato e Irmãos Sampaio atacassem e incendiassem a Superintendência, armazém do Coronel Albuquerque, Jornal O Trabalho, casas de comércio e residência de simpatizantes republicanos na vila de Curitibanos, em represália à morte de Praxedes Gomes Damasceno, fazendeiro e comerciante do Taquaruçu.

O jovem Dinarte acalentava o sonho de conhecer novos horizontes e fugiu para Florianópolis em busca de seu padrinho, Dr. Américo, que havia exercido o cargo de Juiz de Direito desta comarca. Américo telegrafou aos pais informando o ocorrido e também a intensão de internar Dinarte na Escola da Marinha. Na disciplina militar, abriu a possibilidade de estudar, criando asas ao seu objetivo em formar-se no curso de Jornalismo. Trabalhou por vários anos em jornais do Paraná e, com muito orgulho, teve a direção do "Jornal de Curitibanos", de propriedade de Heraclides Vieira Borges (1955/1958), verdadeiro mestre na linguagem correta e atraente.

Profundo conhecedor da região do conflito, descrevia com riqueza de detalhes. Auxiliou outros curitibanenses a montar nossa rica história, principalmente o Museu Antônio Granemann de Souza. Ajudou o professor paulista Douglas Teixeira Monteiro nas pesquisas para a elaboração do livro "Os Errantes do Novo Século", publicado em 1974, deixando assim a sua despretensiosa parcela de contribuição à sua amada terra.

Dinarte Pereira Brasil partiu para o mundo espiritual em 24 de maio de 1984. Deve ser lembrado por todo o nosso povo, pois, nos bares da cidade, por vezes ele lá comparecia com o seu bom humorismo, seu conhecimento e amigos que cativou em sua vida terrena.


1982

Adriana Almeida e Adriane Cristófoli - Baile de Debutantes no Pinheiro Tênis Clube



1973

Alba Marilia Tortato, Nádia Burtet, Nadir Perdoncini, Neiva Becker - Centenário de Curitibanos



Migué Seco, Egon Heinz Reichert, Alírio Mass, Wilmar Schultz, Valdomiro Cambrussi, Delmiro Mass, Ernestinho e amigos - Confraternização de final de ano na Oficina da Comercial Sbravatti 


04 Março 2018 10:42:00


(Foto: Acervo pessoal)


Nessa edição, presto minha homenagem a esse humilde batalhador. Pelo nome de Clementino Francisco dos Santos, poucos o conhecem; é sim, mais conhecido, carinhosamente, como "Nego Clemente". Nasceu em 14 de novembro de 1933, em Curitibanos, filho de Nicolau Américo dos Santos e Eugênia Francisca de Jesus, e teve outros dois irmãos: Carmelindo Francisco dos Santos e Doralicia Francisca dos Santos. Sem muitos recursos financeiros, Clemente e Carmelindo ajudaram o pai em diversos serviços na cidade, conciliando com seus estudos no Colégio Santa Teresinha, onde completou a 8ª série (Ensino Fundamental).

Clemente casou-se, primeiramente, com Idalina Leite, tendo os filhos Ataíde Francisco dos Santos e Emanuel Leite; e anos depois, com Santina Antunes da Cruz, tendo os filhos Eliane Antunes dos Santos e Luiz Carlos dos Santos.

Completando a maioridade, conseguiu, em 1 de dezembro de 1951, emprego de amarrador na Fábrica de Caixas que fazia parte da Serraria Curitibanense Ltda., na Rua Benjamim Constant (Serraria Gava). Foi promovido em 1952 a carregador, fazendo o serviço de gradear madeira em geral, carregamento de caminhões e colocação de lona.

Infelizmente, perdeu um olho em acidente de trabalho em 1964. O valor recebido do INPS foi mínimo e, para completar a renda e dar condições dignas à família, obrigou-se a exercer outras atividades, como engraxate, na Barbearia Borges, e vendedor de bilhete das Lotéricas Borges e Bernardoni, na Avenida Salomão Carneiro de Almeida. Retornou ao serviço em 1969, mas foi demitido em 1972, com a venda da Serraria para a Empresa Joschp S/A, que tinha interesse somente nos pinheirais. Comprou uma casa nas proximidades da Rua Frei Gaspar, vendendo anos depois por necessidade financeira.

Participante ativo na Sociedade Recreativa 6 de Janeiro, foi vice-presidente por um mandato.

A abertura da Lotérica de Raulino Moraes, na Rua João Manoel Carlos, autorizada pela Caixa Econômica Federal, acabou fechando as demais lotéricas. Continuou vendendo bilhetes e fazendo jogo de bicho. Em1974, arrumou emprego de porteiro no Dormitório Avenida, aliando com atividades paralelas. A proprietária Hilda Duarte Sbravatti auxiliou na aposentadoria por invalidez em 1975.

Novamente, para completar a renda, trabalhou como chapa (carga e descarga de caminhões) no ponto nas proximidades do Posto Esso, na Avenida Rotary. Por indicação de amigo, arrumou serviço como vigilante e serviços gerais, em 1980, na empresa Binder Projetos e Construções Ltda., onde ficou até 1994, e como caseiro, na chácara de Ernani Osni Rossa (Migué Seco), na entrada da estrada da Lagoinha (1994/1995). Voltou a residir no pequeno barraco e trabalhar na construção do edifício na Rua Marcos Gonçalves de Farias, mas a obra estava em ritmo lento e ora paralisada. Um grupo de empresários assumiu a construção: Berlanda, Gaboardi, Tortato, Sbravatti, Popinhaki e Gubernatti, finalizando a obra em 2006.

Clemente recebeu como pagamento pelo tempo de serviço, uma casa na Rua Manoel Francisco de Almeida, onde morou até o seu falecimento, em 25 de janeiro de 2013. Deixou lição de superação, perseverança, o espontâneo sorriso amigo e preocupado em dar o melhor à família.



25 Fevereiro 2018 00:00:00
Autor: Sebastião Alves



Ulysses nasceu em 24 de julho de 1918, em Itatiba (SP), filho de emigrantes italianos, de uma família de 17 irmãos. Os pais vieram para o Brasil, trabalham no plantio e colheita de café. Teve uma vida simples e de poucos recursos, no entanto, ainda jovem, empregou-se na Indústria de Fósforo Guarani, onde adquiriu conhecimento no ramo fosforeiro, em especial na área da mecânica. Recém-casado com Olga Órdine Gaboardi, mudou-se para São Paulo (SP), em 1942, e assumiu a administração comercial de Fósforo do Grupo Votorantin. Da união, tiveram os filhos Elenice, Edson, Guido e Ulysses Gaboardi Filho.  

Investiu particular em frota de táxis, empresa de palitos de dentes, padaria e tornearia de madeira. Ele e Cesar Gubernatte compraram, em 1957, uma fábrica de fósforo desativada em Herval D´Oeste (SC), recuperaram as máquinas, equipamentos artesanais e fundaram a Indústria de Fósforo Líder Ltda. Ulysses vendeu seus negócios em São Paulo e, no final de 1958, trouxe a família para Joaçaba.

A necessidade de matéria-prima (pinheiro) fez migrar, em 1961, para Curitibanos. Construiu, em sociedade, a Indústria de Fósforo Líder Ltda, na Rua Frei Gaspar (Sociedade Paraná, Comércio e Importadora Ltda/Indústrias Alves Reis S/A e S/A Luminar), utilizando máquinas modernas e tecnologia de grandes empresas do ramo. Investiu nas empresas Auto Líder S/A, revenda autorizada Volkswagen; Indústria de Calçados Líder, pós Calçados Gaboardi; Fábrica de Palitos Curitibanense Ltda.; fábrica de blocos de concreto; malharia; loja de roupas e calçados. Permaneceu na sociedade da Líder até 1968, então, vendeu sua parte aos outros sócios.

O prefeito Wilmar Ortigari recusou doar um terreno para montar o novo empreendimento. O pecuarista Florisbal Bragança de Moraes (Bá Moraes) acreditou na ideia e cedeu, em 1968, área nas margens da BR-116, no distrito de São Cristóvão do Sul, tendo como sócios Ulysses Gaboardi, Alcides Gaboardi, Ulysses Gaboardi Filho, Adilson Gaboardi, Olga Órdine Gaboardi, Darci Luiz Ferandin e Júlio Bott.

A fábrica foi montada em cima de uma pedreira. Sofreram no primeiro ano, pois residiam em Curitibanos, locomoviam-se de ônibus às 5 da manhã, retornando altas horas da noite. Muitas vezes, pernoitaram em cima de papelão na construção, exaustos pelo trabalho intenso e com o objetivo de acelerar o ritmo da obra. Ulysses comprou fios usados em São Paulo para fazer a fiação elétrica da fábrica. Júlio e Luiz, sem experiência em soldagem e por não usarem material de proteção, sofreram ferimentos e queimaduras no corpo. O segundo ano continuou com sacrifício de horário, pois tinham de cortar os pinheiros que seriam utilizados no expediente do dia. S/A Fósforo Gaboardi começou a colher os frutos da persistência, planejamento e logística e desenvolveu rapidamente.

Wilmar Ortigari venceu as eleições de 1977 e, com isso, concentrou os investimentos em São Cristóvão do Sul. Retornou a investir nos governos Armando Costa (1983/1989) e Ulysses Gaboardi Filho (1989/1993). Nasceu o anseio de emancipar São Cristóvão do Sul de Curitibanos, encabeçado por Ulysses e a população são-cristovense, acontecendo o fato histórico em 30 de março de 1992.

S/A Fósforo Gaboardi transformou em Grupo Gaboardi: Fósforo Gaboardi, Estilo, Gaboardi Park Hotel, Gaboardi Empreendimentos Imobiliários, Associação Esportiva Recreativa Gaboardi, Gaboardi Energia Limpa Ltda e Agropastoril Gaboardi.

Ulysses Gaboardi faleceu em 25 de agosto de 2000, deixando legado de humilde guerreiro, solidário, amigo e fiel à família. São homenageados com seu nome, o Terminal Urbano e a avenida da UFSC.



18 Fevereiro 2018 08:25:00

Agilberto Tortato

 Agilberto Tortato nasceu no distrito de Quatro Irmãos, município de Erexim (RS), no dia 11 de julho de 1929. Filho de Ângelo Tortato e Amélia Mozatto Tortato (ambos de origem italiana), teve outros cinco irmãos: Arnaldo, Aristides, Júlio (popular Barbicha), Armando e Araci.



 A família era proprietário do Hotel e Cinema em Quatro Irmãos, que por razões desconhecidas acabou incendiando. Casou-se com Eva Tortato (filha de Aciles Ghen Rodrigues e Ernestina de Mello Rodrigues) em maio de 1953. Do matrimônio, nascem os filhos Leandro, Jarbas, Sandra, Gilberto, Elizete, Vitor e Adriano.

 A economia de Curitibanos encontrava-se focada na exploração de pinheiro (Capital do Pinho), imbuia, canela e cedro, na confecção de móveis e para exportação, chegando a possuir mais de cem serrarias na cidade, fazendas e distritos, além da fábrica de pasta mecânica e papelão, crina vegetal, agricultura e pecuária. Desanimados com a ocorrência do sinistro, Agilberto e família resolvem conferir se as informações eram verdadeiras e desembarcaram na Estação Rodoviária situada no Palace Hotel em novembro de 1953.

 Auxiliado por amigos, comprou casa na Rua Luiz Dacol e fundou a oficina autorizada Willys, na Avenida Salomão Carneiro Almeida (recentemente nomeada). Montou uma pequena olaria no terreno, fabricando tijolos na construção da edificação com dois pavimentos. Finalizada a obra, abriu bar, restaurante e bazar no térreo e hospedaria no superior.

   Proveniente por questões políticas, espaço para estacionar os ônibus e localização, a Empresa Reunidas Ltda, que explorava o transporte de passageiros intermunicipal, a Rodoviária Municipal do Palace Hotel migrou para o Bar Tortato. Provisoriamente, as vendas de passagens eram feitas no Bar; depois, na sala que antes abrigava o bazar. A garagem foi adaptada para a continuação das atividades do bazar. Anos após, retornou a venda de passagens no bar, onde ficou até a inauguração da Rodoviária Municipal Doromeu Bossardi (atual Terminal Urbano Ulysses Gaboardi) em 1973. Ao lado (hoje estacionamento e Sorveteria Italiana), era alugado a pequenos parques de diversões que ficavam semanas ou meses.

 Com a saída da Rodoviária, vendeu o Bar à família Martarello, alugando as salas. Atualmente, funciona Bar do Ramiro, Cabelereiro Visual, Loja Cris Modas e moradia no andar superior.

Agilberto possuía personalidade humildade, cativou muitos amigos e também exerceu a função de pipoqueiro e taxista. Gostava de pescar, jogar dominó no Bar do Otacílio, frequentador assíduo nos bailes no Clube 7 de Setembro, Pinheiro Tênis Clube, Lions Club Centenário e CTG. Agilberto Tortato faleceu no dia 18 de março de 1983, deixando saudade aos familiares e muitas memórias aos amigos.



11 Fevereiro 2018 21:40:00


(FOTO: DIVULGAÇÃO)

Em 3 de julho de 1907, fica decretada a lei nº 41, como seguinte teor: O cidadão Coronel Francisco Ferreira de Albuquerque, Superintendente Municipal de Curitibanos, faço saber a todos os habitantes deste município que o Conselho municipal decretou, eu sanciono a seguinte lei: 

Art. 1º - Fica o Superintendente Municipal autorizado em auxiliar com a quantia de 500$000 (réis) ao Jornal O Trabalho (Órgão do Partido Republicano Catarinense), que em breve se publicará nessa vila.

Art. 2º - A importância que trata o artigo antecedente será descontada em trabalhos publicados, relatórios, talões, leis avulsas e toda outra espécie de publicação, cujos preços não poderão exceder que atualmente paga aos jornais da região serrana.

Art. 3º - O Superintendente tomará as necessárias providências, com o objetivo de acautelar os interesses municipais, em relação ao mencionado auxilio.

Art. 4º - Revogam-se as disposições contrárias. Mando, portanto a todas as autoridades que tomem conhecimento na execução desta lei, que a cumpram e façam cumprir, tão inteiramente o que nela contém.

Curitibanos 3 julho de 1907 - Francisco Ferreira de Albuquerque - Cornélio de Haro Varela.

Em seguida o Coronel Albuquerque reúne os interessados, e fundam uma sociedade particular, planejando a aquisição e exploração de uma tipografia e jornal. O contrato foi assinado pelos cidadãos: Francisco Ferreira de Albuquerque com 1.500$000 (réis) - Tenente Coronel Henrique Paes de Almeida com 100$000 (réis) - Capitão João Alves Sampaio com 100$000 (réis) - Tenente Coronel Faustino José da Costa com 200$000 (réis) - Tenente Coronel José Rauen com 100$000 (réis) - Capitão João da cruz Maia com 50$000 (réis) - Capitão Leogildio Vicente de Mello com 50$000 (réis) - Major Salvador Calomeno com 50$000 (réis) - Tenente Domingos de Oliveira Lemos com 150$000 (réis). Perfazendo o capital social de 2.800$000 (réis).

Houve dificuldade na aquisição e transporte da máquina impressora. A viagem com destino a Desterro (Florianópolis - SC) levava aproximadamente de 20/30 dias a cavalo, isso quando não surgiam problemas com os índios que moravam nas margens das estradas. O Coronel Albuquerque encarrega Maximino Pires de Lima em buscar a máquina e assessórios, que aluga uma carroça de Domingos Bernardo no transporte da preciosa carga de Desterro até Aquidaban - SC (Apiúna), que era transitável.

De Aquibadan pra Curitibanos a impressora viaja em ombros de homens que foram a pé, conduzindo animais com cargueiros levando alimentos e barracas. Os 50 homens colocam a máquina em padiolas ou banguês, erguem nos ombros em fila dupla de 16, revezando no percurso, enquanto as peças pequenas são colocadas em cargueiros.

Próximo da vila outra turma foi ajuda-los no transporte. Antônio Mafra da Rocha, João Maria de Oliveira e mais dois operários, que distribuíam e auxiliavam João França de Morais na impressão. (Informativo Renovação n° 5 de 08 de maio de 1976 - Correspondência de Coracy Pires de Almeida)

O Jornal funciona em uma casa na Rua Coronel Vidal Ramos até setembro de 1914, quando ocorre o ataque dos caboclos revoltosos, incendiando a sede do jornal na Guerra do Contestado. Apesar de danificados por possuir mais de 100 anos, ainda se encontra um exemplar do jornal e a impressora, que estão expostos no Museu Antônio Granemann de Souza.

Veja mais na coluna desta semana, disponível na edição impressa em todas as bancas ou através de assinatura pelo telefone (49) 3245-1711.


04 Fevereiro 2018 13:51:00

$artigoImagemTitulo


(Foto: Acervo pessoal)


João Popinhak nasceu na Ucrânia, em 1886, filho de Alexandre Popiwniak e Anna Tataren. Com a forte propaganda, crise social, política e rural, os pais emigraram para o Brasil em 1894. Desembarcaram no Porto do Rio de Janeiro e aguardaram na quarentena. O descaso dos agentes da alfândega, não atendendo às necessidades de higiene e com precária alimentação, iniciou uma epidemia de tifo que acabou dizimando grande parte dos emigrantes. 

Finda a quarentena, a família Popinhak seguiu para a Colônia Antônio Olinto, na margem do Rio Negro (PR). Dedicaram-se à agricultura e extração de erva-mate. João era o filho mais velho e, no decorrer dos anos, a família torna-se numerosa, exigindo muito esforço e dificuldade para manutenção.

A comitiva de Francisco Teixeira de Carvalho (Chico Ruivo) sempre pernoitava na propriedade dos Popinhak, com tropas de muares e gado, tendo como destino a Feira de Sorocaba (SP). Em uma dessas tropeadas, entre os anos de 1896/1898, Chico Ruivo, vendo a situação crítica que passavam, acertou com Alexandre e adotou o menino João como membro da família, trazendo-o para Curitibanos. Nessa parte, existe outra versão, não confirmada oficialmente, de que João foi vendido, fato comum naquela época.

Aprendeu as lidas campeiras na fazenda dos Carvalhos. Mais tarde, foi encarregado de conduzir tropas de cargueiros com destino ao litoral catarinense, onde vendia as mercadorias, trocava e comprava produtos para consumo da família e para abastecer os armazéns da região. Além de confeccionar cestos, bruacas e cangalhas, auxiliou João Batista Pozzo na montagem da serraria de Chico Ruivo, no Campo da Roça, ampliando o seu conhecimento.

Começou a construir ranchos, galpões e casas, tornando-se, com o tempo, um excelente carpinteiro e marceneiro (Casa dos Otigari/Magalhães e antiga Prefeitura, hoje o Museu).

Casou-se, no dia 8 de junho de 1913, com Laura Quadros de Andrade, filha de Salustiano Pinto de Andrade e Querubina Quadros de Andrade, vindo a transferir residência para a localidade de Marombas, onde instalou armazém e hotel, cuidando ainda da balsa, por ele construída, que dava passagem sobre o Rio Marombas.

João tornou-se célebre pelas famosas mentiras que tão graciosamente sabia pregar, como a grande traíra que pescou, onde encontrou o revólver do Coronel Nereu Ramos. Com fundo de verdade (aumentada e ilustrada), a história dos violentos índios do Morro do Taió e índios canibais da Serra dos Pires.

Antes do ataque e incêndio de Curitibanos pelos caboclos, na Guerra do Contestado, em 1914, vendeu o gado e os cavalos, fugindo com a família para Aquibadã (Apiúna), onde ficou por vários anos. Quando retornou, não encontrou vestígios da casa, potreiro, cercas e muitas outras estruturas bem arquitetadas.

O casal não teve nenhum filho, mas adotou 13 filhos alheios, criando-os com carinho e dando uma vida melhor. Esses filhos vieram a amparar o casal na velhice. Laura faleceu em 1962, no Marombas. O fato deixou João desconsolado e resolveu voltar para a cidade e morar com uma das filhas adotivas. João Popinhak adoeceu e ficou acamado por mais de um ano, falecendo em 27 de janeiro de1971, entretanto, ainda vive nas memórias dos curitibanenses que o conheceram.



28 Janeiro 2018 00:04:00
Autor: Sebastião Alves


(Foto: Acervo Pessoal)/


Osair João Lehmkuhl nasceu em Leoberto Leal (SC), no dia 5 de fevereiro de 1952. Filho de Mainolvo José Antonio Lehmkuhl e Felomena da Souza Lehmkuhl, que tiveram outros oito filhos e um adotivo: Ademir Vitor, Altair, Darci Matilde, Nilza, Vanda, Odir Antônio , Odílio José e José Anselmo de Souza (adotivo). 

Cursou o primário no Grupo Escolar de Imbuia; Ginásio em Ituporanga e São José do Cerrito; e curso Normal no Colégio Santa Teresinha em Curitibanos.

Passou a residir em Curitibanos em 1971. Casou-se com Ana Lucia Coelho Lehmkuhl em 1973 e, da união, tiveram dois filhos: Fernanda e Eduardo.

Osair era graduado em Matemática e tinha pós-graduação em Biologia. Exerceu o Magistério em vários educandários de Curitibanos e São Cristóvão do Sul, por 30 anos, até que se aposentou. A leitura assídua de temas diversificados lhe fornece o embasamento na estrutura do programa cultural radiofônico, uma de suas paixões.

Por certo período, foi funcionário do INSS e proprietário da Livraria A Casa do Estudante, fundada em 1982, encerrando as atividades comerciais anos depois. Apresentou seu nome como candidato a vereador em vários pleitos, não conseguindo os votos necessários para assumir uma cadeira na Câmara de Vereadores.

Durante alguns anos, apresentou o Programa Mistura Instrutiva, na Rádio Comunitária Maria Rosa FM, como homenagem ao seu irmão Odir Antônio, criador e apresentador desse programa por 20 anos, na Rádio Coroado AM, da Fundação Frei Rogério (1969/1989). Fez parte, por longos anos, na Equipe de Liturgia da Igreja Imaculada Conceição de Curitibanos.

Pautado pela honestidade, caráter digno e honrado, características que procurou transmitir a todos os seus alunos através da profissão que exercia, Osair João Lehmkuhl faleceu vítima de leucemia, em Florianópolis, no dia 30 de junho de 2015, sendo cremado no Memorial Parque das Araucárias, em Curitibanos. O seu passamento deixa saudades e doces lembranças à família e amigos. O Centro de Educação Infantil situado no bairro Universitário leva seu nome, como homenagem pelos seus relevantes serviços prestada na área da educação e cultura.



20 Janeiro 2018 10:05:00

$artigoImagemTitulo





14 Janeiro 2018 00:05:00

$artigoImagemTitulo





07 Janeiro 2018 17:47:00

$artigoImagemTitulo




David Novak nasceu em Canoinhas, em 15 de dezembro de 1925, filho de Basílio Bransislava. Casou-se, em 24 de maio de 1947, com Hildegar, filha de Carlos e Cida Telles (origem alemã). Teve três filhos: David Novak Jr, Dicléia Novak e Diloê Novak.

Nomeado pelo governo do Estado, assumiu o cargo de chefe do Posto de Vigilância Sanitária em Curitibanos e prestou por anos os seus serviços. Formado em Ciências Econômicas pela Faculdade de Curitiba. Com sua capacidade administrativa e por possuir casa na cidade, desistiu de seu cargo na transferência para Lages.

Dotado de espírito progressista, dinâmico, austero, disciplinado e disciplinador, voltou suas vistas para o ensino secundário em Curitibanos, levando em consideração o progresso que o Município desfrutava. Em 1956, com outros abnegados, criou o curso noturno na preparação de alunos para exames do artigo 91, que no fim do mesmo ano rumavam a Curitiba na conquista do diploma do Curso Ginasial.

No mesmo ano, apoiado por pessoas de seu nível cultural, iniciou a criação da Escola Técnica de Comércio, vinculada ao Curso do Professor Oscar Holber. Em 1957, conseguiu a instalação de uma filial da Escola Técnica do Comércio do Instituto Kolber, no Ginásio Casimiro de Abreu, lecionando Matemática na mesma instituição de ensino.

Reuniu, em 14 de maio de 1958, Emiliano Pinho, Alderico Burtet, Paulo Londero Sperb, Walter Tenório Cavalcanti, Orizimbo Caetano da Silva, Ivan Dolberth, Juarez Pirajabas Furghieri, Ivone Terezinha Magalhães, Léo José Chies, Zulma Marodin e Maria de Lourdes Ferreira para fundação da Escola Técnica do Comércio Cardeal Câmara na Rua Barão do Rio Branco, reconhecida em novembro de 1960 e promulgada em 1961, com os cursos Técnico de Contabilidade, Técnico de Administração e Ginásio Comercial, sendo diretores, Emiliano Pinho, Aldérico Burtet e David Novak. A construção da sede foi outro sacrifício, mas, com apoio da sociedade, professores e alunos, o sonho realizou-se e tornou-se um colégio modelo, nas instalações e na disciplina.

David Novak iniciou nova batalha: a criação de uma faculdade em Curitibanos.

Preparou a papelada e enfrentou a burocracia; viajou batendo de porta em porta das autoridades competentes em Florianópolis, num processo moroso, e assim foram vários anos de penúria.

 As autoridades locais resolveram abraçar a causa: Hélio Anjos Ortiz, Onofre Santo Agostini, Felipe Abrahão Neto, Evaldo Amaral, Wilmar Ortigari, Ivo Peretto, Alcides De Carli, Paulo Henrique Kern, Renato Schmidt, Hans Werner Hackrdt, Reinaldo Assis Pellizzaro, Movimento Feminino Pró-Faculdade, bem como o empenho das entidades de classe. Todos em harmonia tiveram a cobertura do governador do Estado Antônio Carlos Konder Reis. Em 26 de junho de 1976, pela Lei Municipal nº 1229/76, foi criada a Faculdade de Ciências Contábeis de Curitibanos (Facc, depois Feplac, atual UnC), Na mesma data, pela Lei nº 1230/76, foram feitos os estatutos com base em 20 artigos e publicado em Diário Oficial do Estado em 6 de julho de 1976, sob o nº 10770.

 A Feplac realizou o vestibular de 9 a 12 de janeiro de 1977, no Colégio Secundário Casimiro de Abreu, com 50 vagas aos candidatos classificados, tendo como primeiros diretores Renato Schmidt, Hans Werner Hackrdt, Reinaldo Assis Pellizzaro e David Novak. As obras da sede própria iniciaram em 1978, em terreno doado por Ney Ortigari e Fernando Driessen, na Avenida Leoberto Leal, bairro Universitário Waldemar Ortigari. No mesmo ano, totalizava 94 acadêmicos em Ciências Contábeis, 53 alunos do 1º ano e 41 alunos do 2º ano.

David Novak faleceu em 10 de julho de 1998. Em leves traçosu não poderíamos esquecer nas Memórias Curitibanenses a atuação, o valor e a capacidade deste homem que foi o baluarte do ensino secundário, visando o bem de nossa comunidade e que deixou seu legado às gerações futuras.



10 Dezembro 2017 11:39:00

$artigoImagemTitulo

Miltom Pires de Almeida

Miltom nasceu na localidade do Guarda Mor, em Curitibanos, em 29 de janeiro de 1923, filho de Henrique Pereira de Almeida e Maria Cândida Pires de Almeida. Casou-se com Carlota Pires de Almeida e tiveram 5 filhos: José Edmilso, Antônio Henrique, Maria Terezinha, João Batista e Vera Aparecida.

Aprendeu, jovem, a lida de campo na fazenda da família no Guarda Mor, sendo na pecuária ou agricultura. Adquiriu vasta experiência na doma de mulas, tropeiro de gado, mulas e porcos. Com as tropas de mulas, percorria o tortuoso caminho para a venda em Ponta Grossa (PR). Também em mulas com cargueiros (tropa arreada), fazia o trajeto perigoso ao litoral catarinense, trazendo produtos de consumo da família e para abastecer os armazéns de Curitibanos e região.

Seguindo o famoso caminho das tropas, levava e vendia boiada em Palmas (PR). Porém, destacou-se como tropeiro de porcos (atividade pouco conhecida nos demais estados do Brasil), conduzindo-os até Videira para a Empresa Polzoni e Brandalize, que, depois de alguns anos, tornou-se o Grupo Perdigão S/A. Importante detalhar: os animais eram tropeados a pé, os xucros tinham seus olhos costurados e assim seguiam o madrinheiro e os porcos mais mansos pelo cheiro, e ouvindo o barulho dos cestos de milho até o destino. Não alimentavam os porcos no trajeto, evitando que debandassem para o mato, perdendo o controle da tropa. Nas empresas, ficavam na engorda, recuperando o peso perdido na viagem e, em seguida, abatidos.

Participou do breve documentário do caminho das tropas, com o repórter Renato de Biasi, da Globo News, onde conta sobre suas tropeadas em rede nacional. A Câmara de Vereadores concedeu a Comenda da Ordem Curitibanense, por seu relevante trabalho em prol do progresso de Curitibanos.

Miltom Pires de Almeida faleceu em 29 de junho de 2005, com 83 anos. Deixou um grande legado de honestidade, amor pela família, amigos e muitas histórias de sua vida de tropeiro, que até o presente momento são lembradas, seja em relatos ou documentos.

Cantor Marcos Roberto, Sid, Pichachau, Rogério Lima, Odir Antonio, Tony, Pedro, Saga - Programa Cantando Pra Minha Terra - Rádio Coroado AM 1976.

Nelson, Barrichello, Sidnei, Scardueli, Hartmann, Erley e Preto - Colégio Casimiro de Abreu 1964.

Paula Carvalho - Princesa Inter Bairros no Clube Colonial 1989 e Mara Leila Coelho - Concurso de Rainha Comerciária no Clube 7 de Setembro em 1988.

Raquel Trisciane Brandt - Miss Curitibanos 1996 e Solange Dacol Pellizzaro - Miss Curitibanos 1987.

Wanderlei Perdoncini, Ivan Dolberth Jr, Volnei Marx de Moraes, Valdir Lemos de Carvalho, Edvaldo Silva e Rubens José da Silva.


26 Novembro 2017 19:33:00
Autor: Sebastião Luiz Alves

$artigoImagemTitulo



19 Novembro 2017 09:36:00

$artigoImagemTitulo



12 Novembro 2017 17:14:00
Autor: Sebastião Luiz Alves

$artigoImagemTitulo


Frei Justino busca apoio do Bispo para interceder na autorização do departamento de instrução pública em Florianópolis, adjunto à casa religiosa, o funcionamento de um colégio, administrado pelas Irmãs da Sagrada Família. A primeira licença é expedida em 29 de setembro de 1932; a segunda, em 5 de novembro do mesmo ano.

No diário de Frei Justino Girardi informa a chegada das Irmãs da Sagrada Família em 1933: Felícia Greboge, Irene Wisnieska, Isadora Chanikoski. Meses depois, reforçada pelas Irmãs Gertrudes Chapieski, Amélia Ruvai e Florentina Suchla.

As irmãs assumem o Colégio Santa Teresinha (antigo Colégio Frei Rogério) e residem na velha casa de madeira da paróquia, a qual servia de internato, abrigava crianças do interior e da região.

As Irmãs, Frei Justino e o Prefeito Antônio Granemann de Souza pleiteiam junto ao Governo Estadual a criação de um Grupo Escolar, conseguindo o objetivo. O Grupo Escolar Arcipreste Paiva é inaugurado em 1 de março de 1934, sendo instalado provisoriamente no velho Teatro Municipal cedido pela Prefeitura. As Irmãs são nomeadas professoras do Estado, com a promessa de construir novo prédio no prazo de 10 anos.

Frei Roque Saupp, sucessor imediato de Frei Justino, consegue com o Bispo Daniel Hostim a transferência do Frei Hilário Zybarth, de Blumenau, excelente pedreiro, marceneiro e mestre de obra, que trouxe junto os auxiliares necessários para a obra. A Sede do Grupo Escolar Arcipreste Paiva é inaugurada em 14 de novembro de 1937 em terreno doado pela Prefeitura. As Irmãs ampliaram a velha casa de madeira que residiam e o Colégio, conforme as necessidades requeridas. Recebem novas freiras: Noêmia Skupim, Eduarda, Adalberta, Ângela, Leônia, Irene, Célia, Rosa, Anete e outras. Em 1951, inicia a construção da nova moradia; no término das obras recebeu o nome Internato Santa Teresinha.

Com a finalidade de suprir a demanda de alunos da cidade e da região, recebe várias ampliações nos seguintes anos: 1962, 1965, 1969, 1974, 1977, 1983, 1985, 1988, 1989, 1992 e outras obras para suprir a necessidade da instituição escolar.

O Colégio passou por diferentes denominações, por vezes, até superposta: Colégio Santa Teresinha (1933); Grupo Escolar Arcipreste Paiva (1934/1971) curso primário; Colégio Professor Egídio Abade Ferreira (1946/1966) curso complementar; Jardim de Infância Santa Teresinha (1957) particular; Colégio Normal Santa Teresinha (1962/1988) segundo grau; Escola Básica Arcipreste Paiva (1989/1991) primeiro e segundo grau; Colégio Estadual Santa Teresinha (1991) pré, primeiro, segundo grau. Atualmente nominado: Escola Estadual Básica Santa Teresinha, ensino fundamental e pedagogia (Noturno); Escola Santa Teresinha, pré e séries iniciais (Particular).

As Irmãs da Sagrada Família, gestores (as) temporários e professores (as) moldam o sistema de ensino curitibanense nesses 84 anos. Importante mencionar os demais funcionários, cada um em sua atividade, que mantêm a manutenção da instituição.



29 Outubro 2017 15:31:00

$artigoImagemTitulo


Nesse momento oportuno, próximo do dia dos finados, não apresento uma biografia, e sim, presto minhas homenagens a esses humildes personagens folclóricos que marcaram época com sua inocência, pouco lembrados nos anais de nossa história. 

João Maria Gois - João Bobo perambulava ao sabor dos ventos pelas ruas da cidade, abordava as pessoas de seu conhecimento às quais transmitia as novidades do dia. Hoje chega o Governador, o Deputado fulano ou outra personalidade em voga. A sua maior preocupação: Tocar o sino da Igreja Matriz às seis horas da manhã, meio dia e seis da tarde, assim completa a sua tarefa diária. Preocupado a rotina religiosa da Paróquia local, assistia as missas e acompanhava os mortos até cemitério após as encomendações, portando à frente uma cruz de madeira. Falece decorrente de enfarte em 24 de novembro de 1970.

Francisco A. Rosa - Chico Louco, atendia a chegada dos ônibus na antiga Rodoviária - prédio Tortato, na Avenida Salomão Carneiro de Almeida, carregava as malas e pacotes dos viajantes. Com isso ajudava no sustento da mãe. Era uma rica criatura e estimado por todos.

Aguarda no bar a chegada do último ônibus, e no anoitecer para sua infelicidade, resolve entrar no Bar e Hotel Cristo Rei situado na Avenida Rotary esquina com a Avenida Salomão Carneiro de Almeida, recusa dar um cruzeiro para pagar a ficha de sinuca, é seguido e surpreendido pelo jovem conhecido, que lhe desfere 57 facadas próximo de matagal na mesma Avenida.

Acácio Simião dos Santos - Acácio, de tantas correrias entre a piazada da cidade que não o deixava em paz. Acácio vai tomar banho! Ele em defesa investia com violência, nunca conseguia alcança-los. Foi à figura humana mais singular. Perambulava pelas ruas da cidade transportando um saco de linhagem, carregado de lenha, de roupas doadas ou que pegava nos varais nas imediações do centro. As pessoas mais generosas davam-lhe dinheiro e então seu contentamento era infinito.

Débil mental, sem um tratamento adequado. Mas em si, era uma criatura mansa. Apenas o divertimento da molecada. Atropelado por uma Kombi no inicio da noite de 21 de janeiro de 1974, fratura gravemente o crânio, na época os recursos clínicos do hospital eram ainda precários, acaba falecendo.

Ademar Cavalheiro do Amaral - Maia, outra figura humana singular, vivia solto, sem qualquer tratamento médico especialista. Conhecido e querido pelos curitibanenses, principalmente os comerciantes já acostumados com sua presença, nunca lhe negaram pedaço de pão ou um prato de comida.

Era comum entrar nos bares do Centro pra pedir dinheiro, pagavam um lanche, mas tinha tomar um gole de pinga, ao sentir descer a garganta, abanava asa mãos e sussurrava "Queima, queima". Outro fato marcante, quando reuniam ele e o Acácio, compravam roupas na Feira Paulista na Avenida Salomão Carneiro de Almeida, levavam ambos na cachoeira próxima ao atual Hospital Regional Hélio Anjos Ortiz, faziam tomar banho e colocar as roupas novas, queimando as velhas. Maia falece em 12 de outubro de 1983.

Humildes personagens folclóricos que também marcaram com sua inocência: Lalau, a Sogra, da Gaiáda, Gina, Assis da Rodoviária e tantos outros que não lembro no momento. O Valdemar ainda vive, é comum encontrá-lo circulando no Centro com seus cachorros, a procura de material reciclável ou algo que chame a atenção.



JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711