Curitibanos,
35anos barrra.png
35anos barrra.png
  

Qual o seu tempo?

01 Dezembro 2017 13:07:00

Precisamos ainda batalhar para ver o copo sempre meio cheio


(Foto: Divulgação)

Quem nunca teve uma crise que atire a primeira pedra. De repente ficou difícil respirar, nada consegue prender nossa atenção, roendo as unhas fica difícil fazer qualquer coisa mesmo, os olhos estão fixos, mas o pensamento longe, divagando, explorando os problemas que parecem apenas acumular na escrivaninha da vida. 

Esse é um cenário comum de crise, tão comum que é raro encontrar alguém que não tenha passado por momentos tensos como este. O estresse, aliado aos compromissos que não terminam costuma nos transportar para uma atmosfera nada agradável e traz consequências sérias para a saúde.

Nos tornamos ansiosos e a ansiedade reflete diretamente na mente, e no corpo. O relógio cansou de bater 24 vezes; aquele dia que passou voando até as quatro e meia de terça-feira, agora se arrasta. É uma sequência, pois iniciamos o dia num ritmo tão frenético, que quando temos um intervalo de certa calmaria, algo parece não encaixar, não é?

Estamos tão habituados a fazer cinco tarefas ao mesmo tempo, que quando temos "tempo" para fazer apenas uma, nada prende nossa atenção, o relógio fica lá, parado na relatividade do tempo.

Infelizmente ou felizmente os compromissos estão ali, empilhando-se, um a um, grande parte sem solução, pois tudo, no mundo moderno, é para ontem, não existe amanhã, nem depois, tudo é para o dia anterior, pois este já está no fim e acabei de lembrar que esqueci de salvar aquele documento importantíssimo, mas também esqueci de um aniversário importante, de um amigo que sente saudade, de tomar um sorvete sem pressa.

É que o dia passou e a rotina não nos deixa viver para valer, olhar o céu, o rio ou o rosto do vizinho demoradamente. Ninguém tem tempo, mas tem uma ansiedade que não acaba. A solução vem em potinhos, as cápsulas, em noites intermináveis de insônia, quando o corpo já adormeceu nos lençóis, mas a cabeça não para. Existe aquela frase de que as noites foram feitas para pensar, para os ansiosos é assim, o cérebro não para, nem por um minuto.

Nesse exercício cruel de enfrentar o relógio precisamos ainda batalhar para ver o copo sempre meio cheio. No entanto, o maior problema é quando se tem tempo e não se tem ânimo, vontade ou desejo e a única ação possível é deitar, olhar para o teto e pensar em nada. Você já pensou em nada? O que aconteceu com o nosso tempo? Lembra quando passar uma tarde andando de bicicleta durava uma vida inteira? Quando o Natal levava exatamente quase um milênio para chegar? Quando fazer dez anos parecia algo distante? Eu lembro, mas agora estou sem tempo.


JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711