37 anos.png
37 anos.png
  
CarlosHomem.jpg
OPINIÃO

Os doentes

'Hipocondríacos, é isso o que são!'


(Foto: Divulgação) /

Depois de tantas desculpas não tive mais como  escapar. Fui jantar na casa de um velho amigo, aceitando o seu trigésimo convite. O "velho", no caso, é no sentido exato do vocábulo, enquadrando-me. Na mesa a comida era farta e muito boa. O desconforto naquela janta estava nas conversas. Cheguei a pensar que ali não era uma residência, mas um Posto de Saúde.

Nunca vi tanta doença numa casa só. Meu amigo se queixava o tempo todo da queimação no estômago, argumentando que aquilo lhe dava azia, regurgitação, tosse depois de comer, etc. Contava com detalhes os refluxos gastroesofágicos e suas dores abdominais com reflexos em tudo: gastrite, úlcera, esofagite e o diabo a quatro. A mulher dele, como se fosse uma deputada chata, queria a todo o momento aparteá-lo. Tinha lá também as suas queixas e queria relatá-las.

Noticiou com lamúrias as suas enfermidades, nominando pelo menos uns cinco médicos, queixando-se que nenhum deles tinha conseguido "dar a volta" nas moléstias dela. E dele que dele a contar: artrite reumatoide crônica, fibromialgia que lhe dava uma sensação de cansaço, falta de sono e ataques de mau humor.

Naquele momento descobri que sofro também de "fibromialgia monetária", ou seja, quando fico sem dinheiro me ataca um mau humor desgraçado! 

A filha, que até então ouvia calada, resolveu interagir.  Desde que tivera o parto de gêmeos nunca mais parou de sofrer. Portadora de infecções perinatais e de sequelas respiratórias crônicas decorrentes daquela maternidade. Fiquei zonzo! Nem sabia o que dizer. Foi quando chegou ali o filho do meu anfitrião e sua cara metade. Ufa! Pensei. O papo agora vai rolar diferente. Ledo e gratuito engano! O rapaz, invocando o testemunho da esposa, sem nenhuma inibição, incorporou-se nas lamentações.

Contou que sua saúde era mais insalubre que a de todos ali presentes. Tinha feito tomografia e não descobriram nada. A ressonância também foi bobagem. Descobriu por conta própria e palpites dos amigos que sua doença era conhecida como psoríase, que lhe dava uma coceira danada, além da afta na boca. Ou seria sapinho? Não podia trabalhar! Explicou que aquilo era causado principalmente pelo estresse. Pela sua cara de vadio, e já conhecendo o seu currículo, concluí que a doença do moço na verdade poderia ser denominada de "preguicite aguda".

Comecei a entrar em pânico com medo de sair doente dali e com os meus nervos todos inflamados. Recusei até mesmo a sobremesa e o cafezinho. Encurtei a visita com receio de ser contaminado, ainda que por auto sugestão. Hipocondríacos, é isso o que são! Zezuis!! 

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711