ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  

Astenia? O que é?

astenia 1.jpg
Foto: Divulgação
*

Um belo dia você tem uma reunião agendada para coordenar. Quando você olha para o grupo ao seu redor, você percebe-se incapaz de pensar, de falar, de agir ou reagir. Então você delega a pauta para uma pessoa de confiança. Por respeito à presença de cada pessoa você registra em fotos e na escrita o máximo de informações. Pode-se dizer que foi a reunião mais longa de sua vida. Pois quando ela acaba você vai direto para um “pronto-atendimento”.

Durante os quilômetros de mobilidade até o atendimento você com esforço, começa a se assustar com o seu estado como um todo: físico, emocional, psicológico e fica em busca de suas especificidades motivacionais, por exemplo. O que está acontecendo com a minha pessoa? Onde estão as minhas forças, minha boa energia, meu jeito de empolgar a todos que estão por perto? Por que venho repetindo as mesmas roupas e calçados? Como não me dei conta que aos poucos fui perdendo as forças. Vaidosa que sou, carrego minha maquiagem na bolsa. Não tenho forças para passar a base, nem colocar um brinco. Mal posso escovar o cabelo. Exames emergenciais... Soro... E a sorte de ser atendida por um bom profissional.

Susto

Foi assim que uma pessoa cheia de vigor, de cuidados com atividades físicas, com alimentação saudável, com vida ativa não se deu conta que subitamente todo seu quadro saudável ficou “bagunçado”. A impotência era cada dia maior. Suspeita de Astenia. Que é um enfraquecimento generalizado, fadiga, mal estar, que assusta a todos que te conhecem. Para uns parecia princípio de depressão... Para outros o excesso de ansiedade... A falta da boa alimentação pela perda total de apetite.

Infecção

Na verdade tudo começou com a extração de um dente. Como havia tomado a medicação prévia, como das outras vezes, parecia tudo normal. De repente, um mau hálito... Sinusite... E para quem nunca toma nem analgésico, ali estavam agora os antibióticos. Um processo infeccioso... Que com os dias previstos para os medicamentos não deu conta.

Ixion

Paralelamente acontecia um tratamento dermatológico, que fazia qualquer possibilidade de câncer de pele entrar em erupção. O que também contribuiu para esta coletânea de sintomas não gratos.

Muitos exames investigativos em andamento! Levou mais de uma semana para a velha conhecida de todos estar de volta: Feliz, animada, cheia de ideias e, principalmente com bastante apetite. Aliás, ele havia desaparecido, o que intensificava e comprometia o todo. Mas na verdade, o que quero dizer: Somos uma caixa de surpresa. De repente, podemos estar assim, tão às avessas do que as pessoas, e nós mesmas, estamos acostumadas a conhecer, que deixamos todos em alerta.

Dicas

Penso que o estresse do cotidiano/ansiedade deve ter sido um dos colaboradores. Hoje, ainda é cedo para falar das causas... Mas preciso falar da atenção permanente que devemos ter em relação a nós mesmos. Ninguém cuida da gente a não sermos nós mesmos. Todos, sem exceção, têm cada vez menos tempo para o outro.

Recentemente ouvi um médico passando três ações bem simples que podem fazer muita diferença para nosso quadro saudável:

Respirar profundamente muda consideravelmente os batimentos cardíacos. Procure ouvir-se, perceber-se mais vezes por dia. Quando estiver pressionado por alguma circunstância: Respire. Seu coração vai voltar a pulsar melhor.

 Não está bem? Revisite suas emoções positivas. Recordações boas promovem bem-estar. Por isso sempre relembro a importância de termos um “pote” contendo o registro dos bons momentos com data. Basta abrir um deles e a sintonia acontece.

Gratidão. Pratique-a. Ela é uma promovedora silenciosa de muitos favorecimentos. É o reconhecimento de algo que lhe fez bem e assim focamos em coisas boas.

Boa semana!

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711