ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  
Murilo.png

Ideias e dinheiro curtos


(Imagem: Divulgação) /

É que, continuamos a marcar passo, no compasso de dois para frente e um para traz. A economia. O setor produtivo culpa o governo e os políticos por falta de atitudes que possam favorecer o crescimento. Por sua vez o Governo, a Autoridade Monetária dita que sem a geração de superávit primário, sem equilíbrio fiscal não é possível programar ações que possam estimular o crescimento.

As estatísticas nefastas mostram o brutal desemprego, a grande massa desocupada e, consequentemente, sem renda, sem poder de compra, poder de compra que é um eufemismo para dizer que passa fome ou, no máximo e com muito favor se sub alimenta. Afora do dito agronegócio que vai muito bem obrigado, os demais setores de produção estão em semiestagnação. No máximo a indústria vai penando, fazendo de tripas o coração para se manter de pé e no que está.

Porém a verdade que uma grande medida de nosso parque fabril está ocioso e os empresários temerosos em investir, ampliar, produzir mais e abrir vagas de trabalho. Uma coisa fica facilmente demonstrada, mostra que boa parte de nossa atividade econômica, da ocupação de mão de obra está exatamente nas grandes obras governamentais, as usinas de energia elétrica, os grandes projetos rodoviários, os elefantes brancos que consomem dinheiro e não se concluem.

A coisa toda então mal se equilibra, à beira do precipício e temerosa de cair. Necessidade de grandes obras nos temos, como por exemplo, a ferrovia do frango desde o oeste até o litoral catarinense. Rodovias com asfalto casca de ovo que já se deterioraram nas regiões centro-oeste e norte. Portos em estado de estrangulação clamando por ampliação. Tudo tropeça na absoluta falta de dinheiro. Tal conjunto leva para a projeção de pouco crescimento do PIB, encolhendo este indicador a cada mês, nos remetendo à proximidade de zero até o final do ano.

Com tal quadro, os ditos investidores, ou seja os compradores de papéis da Bolsa, se retraem ou trancam as bolsas pessoais e bolsos, migram para outros ativos, compram Dólar, ouro ou fedelspato.Um atraso que nos mantem no degrau terceiro-mundista. Quando as riquezas e reservas naturais secarem então veremos sim o que é bom para a tosse. É que, continuamos a marcar passo, no compasso de dois para frente e um para traz. A economia. O setor produtivo culpa o governo e os políticos por falta de atitudes que possam favorecer o crescimento. Por sua vez o Governo, a Autoridade Monetária dita que sem a geração de superávit primário, sem equilíbrio fiscal não é possível programar ações que possam estimular o crescimento. As estatísticas nefastas mostram o brutal desemprego, a grande massa desocupada e, consequentemente, sem renda, sem poder de compra, poder de compra que é um eufemismo para dizer que passa fome ou, no máximo e com muito favor se sub alimenta.

Afora do dito agronegócio que vai muito bem obrigado, os demais setores de produção estão em semiestagnação. No máximo a indústria vai penando, fazendo de tripas o coração para se manter de pé e no que está. Porem a verdade que uma grande medida de nosso parque fabril está ocioso e os empresários temerosos em investir, ampliar, produzir mais e abrir vagas de trabalho. Uma coisa fica facilmente demonstrada, mostra que boa parte de nossa atividade econômica, da ocupação de mão de obra está exatamente nas grandes obras governamentais, as usinas de energia elétrica, os grandes projetos rodoviários, os elefantes brancos que consomem dinheiro e não se concluem.

A coisa toda então mal se equilibra, à beira do precipício e temerosa de cair. Necessidade de grandes obras nos temos, como por exemplo, a ferrovia do frango desde o oeste até o litoral catarinense. Rodovias com asfalto casca de ovo que já se deterioraram nas regiões centro-oeste e norte. Portos em estado de estrangulação clamando por ampliação. Tudo tropeça na absoluta falta de dinheiro. Tal conjunto leva para a projeção de pouco crescimento do PIB, encolhendo este indicador a cada mês, nos remetendo à proximidade de zero até o final do ano.

Com tal quadro, os ditos investidores, ou seja os compradores de papéis da Bolsa, se retraem ou trancam as bolsas pessoais e bolsos, migram para outros ativos, compram Dólar, ouro ou fedelspato.Um atraso que nos mantem no degrau terceiro-mundista. Quando as riquezas e reservas naturais secarem então veremos sim o que é bom para a tosse. 

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711