ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  
Murilo.png

Brava ente brasileira

É que, pela sazonalidade da época, meditemos sobre a nossa decantada independência, celebrada em prosa e verso mas, e sempre tem um mas, pouco compreendida e relativamente verdadeira. Nosso Brasil, como nação, resulta de um punhado de equívocos, e a tal independência também. Começa a lista de fraudes pelo quadro do Pedro Américo, a pintura não passa de plagio de um pintor francês e a cena retratada, em verdade, era o General Napoleão Bonaparte e seu cavalo branco, cercado de Generais de seu exercito.

O Pedro Américo substituiu o esquadrão de soldados presentes na pintura original por um carro de bois com o seu condutor abestalhado em sem compreender o que acontecia. Piedosa fraude pois o Príncipe =Regente naquele momento protegia-se no detrás de frondosa moita onde dava vazão a desgraçada e poderosa cólica intestina. Atrás da moita o encontrou o estafeta real que trazia as tais cartas do Bonifácio e da Real Esposa. D. Pedro ergueu a mão sobre a touça para pegar as missivas pensando, obviamente, em delas fazer uso no imediato após a pacificação intestinal intercorrente e, por desfastio e tempo fez leitura, habito cultivado por tantos até hoje em ler enquanto aos pés. As noticias eram as comuns e retratavam o quanto não era levado a sério o nosso Regente, com parágrafo que noticiava sua imediata convocação para retorno a Portugal.

Sua Alteza zangou-se pois a fartura material que aqui encontrava para vazão a seu apetite sexual certamente não a teria em Lisboa e adjacências, pois aqui o Majestoso inclusive frequentava, ou era habituê de prostíbulos, pouco se lixando para etiquetas e conveniências. A zanga Real culminou com o tal grito da independência. De resto, aos trancos e barrancos chegamos aqui. A independência a nós doada ainda é relativa e impossível do absolutismo, pois dependemos de dinheiro, tecnologia e conhecimento que estão lá fora e quem os tem sabe o preço a cobrar.

Meu estimado e (im)paciente leitor resmunga que isto faz parte das relações internacionais e não interfere na nossa independência política. Interfere sim. Os gringos lá fora estão sempre de olho e ávidos por dominar este pais de silvícolas rapidamente. Atualmente o pouco respeito e acatamento que dispúnhamos no concerto das nações vem diminuindo pelas atitudes rinocerontescas e elefantina dos que nos governam. Mas o sentimento de brasilidade e grande e manteremos esta independência relativa mesmo se necessário irmos às armas.

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711