ASemana 36 anos.png
ASemana 36 anos.png
  
Paula.png
PENSANDO BEM

Ninguém tem que se intrometer na dor que só você sentiu

12 Novembro 2018 10:22:00


(Imagem: Divulgação) /


"As pessoas tomam caminhos diferentes na busca pela felicidade e a sua realização. O fato de não caminharem pelo seu mesmo caminho não significa que se tenham perdido" (Dalai Lama). 

Deixe doer, permita-se fraquejar, chorar, sentir medo, revolte-se. Só não fique fechado nessa escuridão por muito tempo, porque tudo passa, até mesmo os temporais. 

É preciso audácia para ficar triste hoje em dia, nesse conjunto de felicidade estampada na televisão, nas revistas, nas vitrines,?nas redes sociais ou nos comerciais de margarina. É como se não pudéssemos nos sentir desestimulados ou sem esperança, vez ou outra, como se tivéssemos o dever de vencer e de sorrir, sempre, para tudo e para todos. 

A sociedade tenta ocultar a tristeza?cada vez mais, camuflando-a em lugares escondidos, onde ninguém possa vê-la ou senti-la. É preciso ser feliz, sorrir, agradecer, olhar sempre o lado bom de tudo! 

Sim, essas atitudes nos auxiliarão a ultrapassar as tempestades da vida, porém, ninguém consegue usar estratagemas o tempo todo; uma hora ou outra acabamos implodindo. 

Todos temos o direito à dor, ao desencanto, às lágrimas e lamúrias. É assim que a gente consegue doer até esvaziar o coração e começar a preenchê-lo novamente com esperança e luz. Demorar-se na dor é perigoso, mas passar por ela quando nossa alma assim pedir será benéfico, uma vez que o enfrentamento dos nossos fantasmas nos torna mais fortalecidos e certos da felicidade que queremos dentro de nós. 

Temos, porém, que tomar o cuidado de não aparentar fraqueza diante de certas pessoas, pois existe sempre quem usará tudo isso contra nós, quem se aproveitará da vulnerabilidade alheia para destilar veneno e maldade, de forma covarde. Mesmo assim, necessitamos ter a consciência de que nos sentirmos mal ou tristes não nos torna mais fracos, e sim, mais humanos. 

Sofrer faz parte da vida de todos nós. Dói a dor do desapontamento, da perversidade, da ilusão quebrada, do abrigo que desmorona. Permita-se sofrer. Só não fique isolado nessa escuridão por muito tempo, porque tudo passa, até mesmo as tempestades. 

E sempre se lembre: ninguém tem nada que se intrometer na dor que você, e somente você, sentiu. 

Está claro que, às vezes, o que vemos não é toda a realidade. Cada pessoa é um mundo. 

Você mesmo tem situações e vivências pelas quais passou, com as quais sofreu e aprendeu, mas que só você compreende e conhece. 

As outras pessoas também. Cada uma delas tem uma vida com as suas próprias particularidades. Não se trata de justificar seus atos; o que não queremos é julgá-los.?As pessoas têm seus motivos e, mesmo que você não esteja de acordo, é preciso respeitá- los. Talvez amanhã você se veja fazendo exatamente aquilo que tanto questionou. Se você é o tipo de pessoa que julga os outros, pense primeiro em como você se sente quando alguém julga você. 

Ao longo das nossas vidas, tudo o que nos acontece muda a nossa forma de ver as coisas. O que há alguns anos víamos como certo, agora, talvez já não seja. 

Seja flexível e nunca julgue. Você pode dar a sua opinião, mas sem procurar que as pessoas olhem a vida do mesmo jeito que você. Principalmente porque a sua não é a única visão válida. 

Nunca podemos julgar a vida dos outros, porque cada um sabe da sua própria dor e da sua própria renúncia. Uma coisa é você achar que está no caminho certo; outra é achar que o seu caminho é o único" (Paulo Coelho). 

Jornal "A Semana" | Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida | 89520-000 | Curitibanos | (49) 3245-1711