Curitibanos,
35anos barrra.png
35anos barrra.png
  
Paula.png

A Janela de Overton

31 Março 2018 00:00:00

Ana Paula Della Giustina


(Arte: Divulgação)

"E se você descobrisse que tudo em que você acreditou até hoje não passa de uma grande farsa? Que a roupa que você veste todos os dias, assim como o carro que você dirige não são escolhas suas? Que o governante que você elegeu na última eleição também não depende de você? E se chegasse à conclusão de que toda autonomia e livre-arbítrio que você julga ter, na verdade, atendem a um outro comando que não as suas ideias e a sua própria vontade?"(Glenn Beck) .

 Todos temos ciência de que, em algum ponto, somos manipulados ou manipulamos algo. Ou seja, não há limite para esse ciclo. Este texto, porém, vem pra levar a discussão sobre manipulação a outro nível, o da manipulação de sonhos das pessoas, através dos discursos. Se você na hora pensou em mídia e política, parabéns! Esse texto é sobre isso, e a Janela de Overton diz sobre como manipular a opinião pública. Em tempos políticos de crise, compreender como funciona o discurso é sobrevivência.

 O termo "Janela de Overton" é uma homenagem a Joseph Overton, que criou um modelo para demonstrar como um pequeno grupo de pensadores pode mudar intencional e gradualmente a opinião pública. A Janela de Overton é o leque de ideias "aceitáveis" na sociedade.

 Se alguém quiser cozinhar um sapo vivo não deverá jogá-lo na água fervente.

A maneira correta será a de colocá-lo num recipiente com a água com a qual está habituado. No entanto, o cozinheiro irá cautelosamente colocar um pequeno fogo sob a panela e lentamente o irá aumentando até o ponto de fervura. Como a mudança é lenta, o sapo irá vagarosamente se acostumando a ela e, quando ele menos esperar, estará cozido. Esta história só serve para ilustrar que há certas tarefas que devem ser feitas aos poucos para que tenham sucesso.

 Foi o que pensou Joseph Overton, um executivo americano dedicado a atender grupos de interesse com o objetivo de transformação social. Na verdade, Overton, não criou algo novo. Ele simplesmente racionalizou uma percepção intuitiva que existe há bastante tempo: alterações na opinião pública devem ser feitas aos poucos, com sutileza, e não contestando frontalmente a mentalidade estabelecida.

 O pulo do gato é o seguinte: artistas, comunicadores, jornalistas, cientistas, institutos de pesquisa, defendem ou atacam, conforme o curso que se deseja tomar, um tema relacionado ao principal, mas, que não é exatamente aquele a que se deseja chegar. Quando a opinião pública aceita a nova situação, se vai adiante, com outras demandas, sempre tendo como alvo o destino final, que é a mudança total da opinião pública.

 Portanto, quando todos os programas de televisão, os políticos, os jornais, as pesquisas, os especialistas, ativistas e outros, atacam ou defendem unanimemente este ou aquele comportamento ou costume, pode ser que seja só uma coincidência, mas também, que seja o fogo que está lentamente cozinhando os miolos das pessoas para que elas abandonem suas opiniões e preferências. Pode ser que seja o sapo sendo cozido. Pois, de acordo com esta teoria, "se as pessoas forem simplesmente enganadas, há sempre a chance de um dia acordarem e se rebelarem contra o crime. Por isso, nós não as fazemos mudar de ideia. Nós mudamos a verdade."

 Perceber, portanto, que as batalhas começam a ser travadas no campo do discurso, nos faz treinar um olhar mais amplo sobre as transformações pelas quais estamos passando.

Fica evidente, que a Janela de Overton, é um conceito que pode ser igualmente utilizado para o bem ou para o mal. Conhecê-lo não rende nenhuma garantia de se tornar "imanipulável", mas como gosto de dizer, conhecer as regras do jogo torna ele muito mais fácil de jogar.

  "A verdade é um artigo de luxo que não está em exposição".


JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711