35anos barrra.png
35anos barrra.png
  
Paula.png

A importância do comprometimento

07 Abril 2018 12:29:00


(FOTO: DIVULGAÇÃO)

Sempre que sento para escrever um texto, penso na pessoa que o lerá. Meu objetivo é ajudar esta pessoa, mas um tema como este, imagino o quanto seria provável que uma pessoa sem comprometimento vá se interessar, pois esta é uma característica que nem sempre é admitida. Então escrevo para aqueles corajosos que o lerão e refletirão sobre o assunto. 

A inspiração para o tema "falta de comprometimento" surgiu há alguns dias quando eu estava em um supermercado, em um dia de grande movimento. Havia duas moças fazendo compras quando a primeira, que estava com bebê de colo, virou para outra e perguntou "Cadê o Pedrinho?" - estava claro que se tratava de uma criança. A outra respondeu "Ele não está comigo". Até aí nada demais, certo? Não, não está certo, pois a expressão de rosto de cada uma delas era totalmente oposta. A que perguntou traduzia clara apreensão, a que respondeu demonstrava expressão de "estou nem aí". Precisou que a primeira dissesse "Eu fico com as compras e o bebê e você vai pra lá e procura por ele". Aí sim a outra saiu e foi atrás. Confesso que até eu passei a olhar para os lados procurando o Pedrinho - mesmo sem ter conhecimento de qualquer característica deste garoto.

Essa cena me fez lembrar muitas outras cenas presenciadas nos mais diversos locais. Por muitas e muitas vezes, vi e ouvi colaboradores dizendo "perdemos o cliente", sem muita expressão, como se a perda de um cliente não tivesse definitivamente nada a ver com ele. Será que não tem? Será que clientes a menos não significam uma empresa fragilizada e empregos em risco?

Nas empresas, a falta de comprometimento se manifesta, por exemplo, com não cumprir com o combinado numa reunião, com prazos acertados, com cláusulas contratuais, com normas e procedimentos. Quem está acostumado a cumprir aquilo que prometeu, geralmente sofre com pessoas que não agem com igual empenho, pelos mais variados motivos. Tem gente que é meio desligada com prazo, que não se importa muito em cumprir uma data ou horário com o qual se comprometeu. Outros fazem isso de forma intencional. Nós vivemos numa sociedade de interdependências e o não cumprimento de uma parte implica em atrasos no projeto inteiro ou em alguém ter que "dar o sangue" para assegurar o cumprimento de um prazo final comprometido.

De forma equivalente, na sua função, você é responsável por executar um trabalho, que posteriormente seguirá para outro colega ou área, caminhando como numa linha de produção até que o produto seja entregue ao consumidor final. Portanto, cabe a você executar a sua atividade dentro do prazo e da melhor maneira possível para que não comprometa a sequência do processo.

Mas nem sempre é isso que acontece! Se existe uma coisa que me deixa extremamente irritada, é a falta de comprometimento das pessoas com o produto final.

É comum ouvirmos: Já fiz a minha parte, agora a "bucha" está com "fulano", portanto o problema é dele. Será mesmo? Não! O problema também é seu.

A falta de comprometimento gera desperdício de tempo, trabalho e consome muito mais recursos do que o necessário, sem contar que o produto final poderá não ter a mesma qualidade. Estabeleça prioridades, respeite os prazos e acordos, cumpra-os.

Pense que a empresa depende daquilo que produz e vende, seja uma mercadoria ou um serviço. Se o custo do produto ou serviço for superior ao do concorrente, fatalmente o seu ficará na prateleira.

Lembre-se: o barco não afunda só do lado do seu colega!


JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711