35anos barrra.png
35anos barrra.png
  

Escolher por quê?

08 Março 2018 11:40:00

Natália Sartor de Moraes


(Foto: Divulgação)

Deduzimos significações sem saber a fundo no quê se basearam. Exemplo disso é o termo Heresia o qual, para mim, estava relacionado a pecado, desvio, afronta. Até ontem, quando descobri que a palavra vem do grego e significa escolha.  

A partir da construção da nomenclatura, todo aquele que escolhesse seguir ou criar ideias diversas da Ortodoxia (crença que se pretende a verdadeira), era considerado herege. O conhecimento realmente nos liberta, pois só hoje compreendo a razão da minha curiosidade acerca das personalidades consideradas hereges. Eram hereges porque escolheram.

 Escolheram acreditar de outro modo. Escolheram não seguir a manada. Escolheram agir diferente. Escolheram pensar: poderia ser que não existisse apenas uma vertente de conhecimento ou religião. Escolheram, enfim.

Talvez então eu não estivesse errada ao acreditar que Heresia quer dizer pecado. Afinal, até hoje, tantos séculos depois das massacrantes condenações dos hereges, ainda amargam as consequências aqueles que decidem simplesmente escolher. Aqueles que decidem escolher se sentem pecadores, se sentem repelindo uma trilha supostamente correta. Aqueles que decidem escolher picham com as suas atitudes dissidentes um emblema tão antigo quando reprimível: HEREGE.

Escolhem por quê? Não seria muito mais fácil endossar o que já está posto? Não seria melhor apoiar o partido estabelecido, a rede de televisão mais assistida, a conduta consagrada? Para que criar? Por que desviar? Por que se negar a ser robotizado pelos padrões?

Tantos hereges por aí. Artistas, por exemplo: hereges todos. Quem decide adotar um ritmo de vida próprio, sem se preocupar com o que as estatísticas e opiniões alheias pretendem evidenciar: herege. Experimente ser idealista ao invés de materialista: herege. Muito herege. Só que hoje a palavra Heresia, por ser expressão de outras épocas, perdeu a superioridade e foi transmutada para Teimosia. Continua rimando, pelo menos. E segue tão reprovável quanto.

A sociedade estabelece conceitos e esses, embora nem sempre adequados para a vida de todos, acabam se cristalizando como se o fossem. Espécie de Paralogismo: um raciocínio equivocado que, pela aceitação, se fixa. Nós devemos apoiá-lo sem questionamentos, rechaçando as dúvidas, pois são elas que conduzem à mudança através da escolha, através da Heresia.

Compreendo muito pouco sobre decisões acertadas, mas entre Heresia, Ortodoxia e Paralogismo, sempre vou escolher a verdade.


JORNAL "A SEMANA"
Rua Daniel Moraes, 50, bairro Aparecida
89520-000  -  Curitibanos/SC  -  (49) 3245-1711